Dirceu e Jefferson passam o feriado no interior com parentes e amigos

José Dirceu permaneceu em Vinhedo (SP) e Roberto Jefferson em Levy Gasparian, na região serrana do Rio de Janeiro

Os réus condenados na Ação Penal 470 terão um longo fim de semana à espera da decretação da prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Dois dos principais personagens do caso ? o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu e o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) ? recolheram-se no interior. Dirceu, em Vinhedo (SP), e Jefferson, em Levy Gasparian, região serrana do Rio de Janeiro.

Dirceu vai passar o feriado prolongado com as filhas, Joana e Camila, e só pretende deixar a casa de campo quando o STF decidir onde e quando ele deve se apresentar para cumprir a pena. Aos amigos, tenta passar a imagem de resignação. ?Ele está tranquilo, sempre teve muito sangue frio. Pediu para que eu refletisse com ele sobre o que deveria fazer. Ele sabe que vai ser preso?, declarou o amigo e provável biógrafo, Fernando Morais. O escritor pretende escrever um livro intitulado 30 meses, relatando o período em que o petista foi chefe da Casa Civil do governo Lula.

Filho do casamento com a empresária Clara Becker, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), não estará em Vinhedo, mas se encontrou com o pai na escala feita pelo petista em Brasília, durante a viagem de retorno de Itacaré (BA) para São Paulo. A interlocutores, Dirceu garantiu que vai se apresentar onde a Justiça determinar, seja em Brasília, seja em São Paulo. ?Ele vai cumprir a decisão do Supremo. Eu vou apresentar meu cliente. Eu não sei ainda onde. Minha intenção é fazer uma apresentação discreta,? declarou o advogado de Dirceu, José Luís Oliveira Lima.

No interior fluminense, Jefferson disse, em seu blog, que ?nem tudo está perdido?. ?Há oito anos, denunciei ao país o maior escândalo que jamais presenciei no Planalto central desde que me tornei deputado. Tudo realizado por quem, por décadas, apontou o dedo para muitos, acusando-os de corruptos, dando início à nefasta judicialização da política brasileira?, escreveu.

Jefferson ainda acrescentou que o resultado final para o país poderá compensar a inconformidade que ele sente em relação à própria condenação. ?Estou satisfeito com a decisão? Mentiria se dissesse que sim. Conforta-me, porém, a crença de que a política brasileira, daqui para a frente, pode ser melhor.? Além da prisão iminente, o petebista se preocupa com a própria saúde. Ele encerrou as sessões de quimioterapia para tratar um câncer no pâncreas, mas adquiriu uma anemia crônica e uma febre que os médicos não conseguem detectar a origem.

Quem também aguarda a prisão é Marcos Valério. O advogado do empresário, Marcelo Leonardo, disse ontem que o cliente vai se apresentar espontaneamente para cumprir a ordem de prisão.

Fonte: Correio Web