Dos cem candidatos que disputam segundo turno, oito são mulheres

No primeiro turno, 7 mulheres venceram nas 83 cidades mais importantes

Oito mulheres vão tentar neste domingo (28) conquistar a prefeitura dentre as 50 cidades em que a disputa será decidida no segundo turno. Municípios com possibilidade de segundo turno são considerados os mais importantes pelos partidos por terem mais de 200 mil eleitores.

Destes, apenas Manaus (AM), Juiz de Fora (MG), Campina Grande (PB), Nova Iguaçu (RJ), Franca (SP), Guarujá (SP), Mauá (SP) e Ribeirão Preto (SP) ainda têm mulheres na disputa. No primeiro turno, elas conseguiram se eleger em 7 das 83 cidades com mais de 200 mil eleitores; a única capital foi Boa Vista (RR), com Teresa Surita (PMDB).

Neste segundo turno, a única capital com chance de eleger uma mulher é Manaus. No primeiro turno, a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B) obteve 189.861 votos (19,95% dos votos válidos); o mais votado foi o ex-senador Artur Virgílio Neto (PSDB), com 385.855 votos (40,55% dos votos válidos).

O Ibope divulgou pesquisas de intenção de voto no segundo turno para Manaus, Juiz de Fora, Franca, Campina Grande, Ribeirão Preto e Guarujá. As candidatas mulheres estão na frente em duas das seis cidades: Guarujá, onde Maria Antonieta tem 60% das intenções, contra 32% do adversário Farid Madi (PDT), e Ribeirão Preto, que tem Dárcy com 53% das intenções, contra 36% de Duarte Nogueira (PSDB).

Segundo dados do TSE, no primeiro turno das eleições deste ano, das 5.568 vagas de prefeitos, 672 (12%) foram preenchidas por mulheres. Houve crescimento de 33% em relação a 2008, quando foram eleitas 504 prefeitas no primeiro turno.

"Subrepresentação"

Derrotada na disputa pela prefeitura de Porto Alegre no primeiro turno, a deputada Manuela D?Ávila (PC do B-RS) acredita que o baixo número de mulheres eleitas no pleito deste ano expressa o ambiente desfavorável às candidatas do sexo feminino.

"Elegemos uma mulher presidente e mesmo assim não houve aumento no número de mulheres nos cargos do Executivo. Sempre que se tratar de mulheres, vão ser mais valorizados os aspectos que não são da política, como se ela está bonita, se está velha", avaliou a deputada.

Presidente interina da Comissão de Direito Humanos da Câmara, a deputada Erika Kokay (PT-DF) enfatiza que, em todas as áreas da política, há "subrepresentação" de mulheres. A parlamentar observa que os dados do TSE sobre a presença de candidatas do sexo feminino na corrida eleitoral de 2012 são ?burcas invisíveis?.

?Vários países em que as mulheres usam burcas têm maior participação feminina nos parlamentos do que no Brasil. A pouca presença de mulheres na política brasileira é a expressão da lógica sexista e machista de nossa cultura. Além de, geralmente, terem salários menores do que os dos homens, quando as mulheres ocupam espaços tradicionais do sexo masculino não podem errar?, ponderou a parlamentar petista.

Câmara

A disputa municipal de 2012 contou com 302.348 candidatos do sexo masculino e 146.059 candidatas mulheres, incluindo a disputa de vereadores. Nas Câmaras, foram eleitas 7.653 vereadoras (13% do total de 57.418 vagas).

De acordo com o tribunal, o percentual de concorrentes do sexo feminino às vagas de vereador em todo o país atingiu 32,57%.

Esse dado, no entanto, não significa que todos os partidos políticos e coligações tenham atingido o percentual mínimo da chamada ?cota de gênero?. A Lei das Eleições exige que, pelo menos, 30% dos postulantes a cargos públicos em processos eleitorais sejam mulheres.

?Essa média de candidatas mulheres vai ser sempre atingida por conta da exigência da legislação. O número que nos interessa é saber quantas foram eleitas?, ressaltou Manuela.

Fonte: G1