Polícias Federal, Civil, Militar e Exército estarão em Barras

Para reforçar o trabalho do Ministério Público, dois promotores vão trabalhar de forma voluntária

104 soldados do exército, 40 policiais militares, 6 civis, além das tropas federais, cuja quantidade de agentes não foi disponibilizada para a imprensa. Este é o efetivo que fará o policiamento ostensivo que deverá garantir a ordem na eleição suplementar que vai acontecer no próximo domingo (2) em Barras. Os policiais devem chegar a Barras hoje. Além deste número, agentes federais já estão na cidade à paisana agindo de forma camuflada para evitar a compra de votos. O delegado do 1º Distrito Policial de Teresina, Mauro André Miranda, foi destacado pela Secretaria Estadual de Segurança para atuar em Barras durante o final de semana, já que o antigo delegado, Laércio de Oliveira, foi afastado do cargo. Ele ficará no município até segunda-feira. De acordo com a promotora da comarca Maria do Amparo Sousa, um outro delegado concursado é esperado para assumir o município quando Mauro André voltar ao seu posto. Para reforçar o trabalho do Ministério Público, mais dois promotores vão trabalhar de forma voluntária durante o pleito eleitoral. Trata-se do promotor da 40ª vara eleitoral do município de Fronteiras, Francisco Túlio Ciarnile Mendes e Maurício Gomes de Sousa da 53ª vara de Cocal. A promotora Maria do Amparo informou que neste sábado (1) haverá uma reunião com todo este grupo para discutir as estratégias de segurança na véspera e no dia da eleição. Ela comemora o fato de poder colocar pelo menos 1 agente em cada um dos 30 locais de votação. “Ao todo, temos 83 urnas espalhadas em 30 locais de votação, 15 no interior e 15 na zona urbana. Colocaremos um policial em cada uma delas e os demais vão ficar espalhados em pontos estratégicos da cidade”, explica ela. Nesta quinta-feira, o ministério público solicitou policiais de Esperantina para garantir a ordem na cidade durante os comícios das duas coligações. O delegado Mauro André disse que apesar da proximidade dos dois eventos – cerca de 1 quilômetro e meio não houve nenhuma ocorrência e os policiais voltaram, nesta sexta-feira para Esperantina. Maria do Amparo destacou que Barras tem uma população pacata, sem histórico de violência e que a grande maioria das denúncias que chegam à promotoria é infundada. “Há aqui muito disse-me-disse, muito barulho, mas só isso”, diz, acrsecentando que foi obrigada a proibir a transmissão das sessões da Câmara de Vereadores no rádio por conta dos conflitos durante os pronunciamentos.

Fonte: Socorro Carcará