Eletrobras Piauí quer aumentar taxa de energia elétrica em 8%

Eletrobras Piauí quer aumentar taxa de energia elétrica em 8%

Aneel vai definir percentual do reajuste tarifário para a Eletrobras Distribuição Piauí, que passa a vigorar a partir do próximo dia 28.

Amanhã a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai definir o valor do reajuste tarifário para

a Eletrobras Distribuição Piauí, que passa a vigorar a partir do próximo dia 28. A empresa local solicitou para a Agência um aumento de 7,95% para os consumidores residenciais e 10,64% para a alta tesão, conforme documentação que encontra-se em fase final de análise.

A definição do Índice de Reajuste Tarifário (IRT) é da ANEEL, que avalia o reajuste com base na solicitação enviada pela Elatrobras Piauí mas, principalmente, por levantamentos realizados pela própria agência. ?A Aneel avalia nossos números e, com base neles, determina quanto teremos de aumento ou redução na tarifa de energia?, comentou Carlos Salomão, da Assessoria de Imprensa do órgão.

Segundo ele, houve redução de tarifas em 2008 e 2009. Mas em 2010 os piauienses tiveram aumento 1,8% para baixa tensão e 4,99% para a alta tensão. Para determinar o aumento ou redução da tarifa

a Aneel leva em consideração metas de referência para todas as empresas. Quem mais se aproxima destas metas terá mais direito a reajuste positivo. Porém, também são levados em consideração dados como o aumento de consumo e o acompanhamento da empresa para suprir a demanda. O reajuste serviria para premiar e suprir os gastos com a expansão.

No Piauí foi registrado um aumento de 17% do consumo entre 2009 e 2010. Caso a Eletrobras Piauí consiga comprovar investimentos e ganhos em eficiência, a empresa será recompensada com os reajustes de tarifa e, o consumidor, vai amargar o aumento no período em que mais utiliza a energia. Todos os anos o aumento da energia elétrica ocorre justamente quando o consumo dispara em todo o Estado, que é o período do B-RÓ- Bró, devido principalmente aos ventiladores e condicionadores

de ar que funcionam durante mais tempo e com maior consumo para conter o calor.

Fonte: Mateus Noronha, Jornal Meio Norte