Elmano Ferrer diz que pretende fazer gestão pluripartidária a frente da PMT

O petebista admite que está estudando nomes e que sua intenção é fazer uma gestão com todos os partidos, inclusive PT e PSDB

Enquanto aguarda o prefeito Sílvio Mendes (PSDB) comunicar oficialmente sua saída do Palácio da Cidade para entrar na disputa pelo Governo do Estado, o vice-prefeito Elmano Ferrer (PTB) admite que já está estudando os nomes que comporão a nova equipe de secretariado municipal. Sem querer adiantar nomes, o petebista diz que pretende fazer uma gestão com a presença de vários partidos, dentre eles, o Partido dos Trabalhadores (PT) e o próprio PSDB, que hoje compõe a dobradinha com o PTB à frente da administração de Teresina.

Elmano Ferrer fez questão de reafirmar que o prefeito Sílvio Mendes ainda não lhe comunicou que sairia, apesar dos dois terem encontros diários. ?E o prefeito tem sido claro ao desautorizar qualquer secretário ou outros membros tucanos a falarem por ele?, diz. Ainda assim, o petebista diz que ?tem várias idéias? sobre os possíveis nomes que formarão o novo quadro. A idéia do vice-prefeito é ?ter nomes em mente?, estando preparado para o anúncio do prefeito, que deve acontecer no dia 31, após a inauguração da Ponte Estaiada. ?Mas não posso sair convidando as pessoas sem ter essa certeza ainda?, argumenta.

Indagado sobre quais partidos participariam dessa nova composição, Elmano foi enfático ao dizer que ?na política, tudo é possível?, não descartando que membros petistas e tucanos possam fazer parte da equipe. O vice-prefeito lembrou que o senador João Vicente Claudino, que é presidente regional do PTB, é membro da base aliada governista, mas, não descartou que o quadro possa mudar, fazendo com que o partido marche com a oposição, repetindo a dobradinha que já acontece a nível municipal. ?È cedo para dizer isso, vamos aguardar. Mas tudo é possível, nunca se pode fechar as portas?, adiantou.

Mesmo sendo alvo de elogios constantes do prefeito por ser um ?bom técnico?, Elmano lembrou que ?além de técnico, ocupa um cargo político? e que, por conta disso, a composição do secretariado passará também por indicações políticas. ?O meu desejo é colocar pessoas certas nos lugares certos, mas nisso terei que ouvir também o meu partido?, ressaltando que o clima de indecisões ainda não é favorável para ?fazer convites?. ?Gostaria de dar uma tonalidade técnica, de caráter pluripartidário. Mas essa não é uma decisão que deva ser tomada sozinha?, conclui. (M.M)

Fonte: Mayara Martins