Líder afirma que PMDB quer candidato à Presidência em 2018

Líder afirma que PMDB quer candidato à Presidência em 2018

Evento teve presença de Dilma, que afirmou que aliança terá "longa vida". Integrantes do partido disseram que pretendem ampliar eleitos em 2014

O líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), afirmou neste sábado (2) que o PMDB almeja ter um candidato próprio à Presidência em 2018. A afirmação foi feita durante convenção do partido, que deve reconduzir ao comando da sigla o vice-presidente da República, Michel Temer.

?Temos a condição de ganhar a Presidência da República em 2018. Um partido forte começa com condições de crescer. (...) O PMDB vai mostrar em 2014 o quão grande ele é?, afirmou.

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), também afirmou em seu discurso que o partido ?quer chegar, mais para frente? ao comando do país.

No mesmo evento, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a a aliança entre PT e PMDB terá "longa vida".

Diversos integrantes do PMDB defenderam que o partido cresça nas eleições de 2014 em número de parlamentares e governadores.

?Já somos o maior partido do Brasil e vamos eleger o maior numero de governadores, deputados e senadores. Para isso, precisamos aproveitar esse bom momento, em que temos como vice-presidente da República Michel Temer, Renan Calheiros como presidente do Senado e Henrique Eduardo Alves na Câmara?, disse o presidente em exercício do partido, senador Valdir Raupp (RO). Temer é oficialmente o presidente do partido desde 2001, mas está licenciado.

Em seu discurso, Temer anunciou que o PMDB nacional vai ceder aos diretórios estaduais as inserções nacionais em rádio e TV no segundo semestre de 2013 e no primeiro semestre de 2014. ?Vocês sabem a importância que isso tem. O PMDB nacional não se incomoda de deixar de lado as inserções nacionais?, afirmou. Segundo ele, é uma iniciativa para aumentar o número de senadores e deputados eleitos pelo partido.

Convenção

Na convenção deste sábado, o PMDB elege os novos membros do Diretório Nacional, da Comissão de Ética e Disciplina, da Executiva Nacional e do Conselho Fiscal. Desde 2001 no comando do PMDB, Temer deve ser aclamado pelos correligionários para um novo mandato de dois anos à frente do partido. A sigla também apresentará propostas de mudanças em seu estatuto.

Integrantes do PMDB estudam propor uma alteração no estatuto da legenda, a fim de autorizar que Temer acumule a presidência do partido e a vice-presidência da República. Atualmente, as regras internas do partido não permitem que membros do Diretório Nacional exerçam cargos no Poder Executivo.

Em razão dessa restrição do estatuto, Temer teve de se licenciar do comando da sigla no momento em que ingressou no Planalto. Na ocasião, ele passou a presidência do PMDB para o senador Valdir Raupp.

Por isso, há a possibilidade de Temer ser reeleito neste sábado e, imediatamente, voltar a se licenciar do cargo, deixando a gestão da legenda, mais uma vez, sob a responsabilidade de Raupp.

Fonte: G1