Em depoimento, delator diz que US$ 5,1 milhões seria para Cunha

Leonardo Meirelles fala de repasse de US$ 5,1 milhões para Cunha

O empresário Leonardo Meirelles disse nesta quinta-feira (7), em depoimento no Conselho de Ética na Câmara, que possui comprovantes de depósitos bancários que totalizam o valor de US$ 5,1 milhões, de valores que recebeu em suas contas no exterior e que o destinatário final era o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O delator da Operação Lava Jato contou que transformou esse dinheiro em reais e fez a entrega em espécie para o doleito Alberto Youssef que informou que o valor iria para Cunha.

O empresário disse que não fez nenhum depósito diretamente na conta de Eduardo Cunha e que não tem conhecimento que ele possua conta no exterior.

A assessoria de Cunha informou que ele não vai se manifestar nesse momento e que o advogado que o representa, Marcelo Nobre, deverá falar com a imprensa após a sessão do colegiado.

O empresário Meirelles era sócio de Youssef e cedia  empresas para que o doleiro fizesse repasses de recurso ao exterior que seriam destinados depois a supostos beneficiários de propina.

Cunha é investigado no Conselho de Ética pela suspeita de manter contas bancárias secretas no exterior e de ter mentido sobre a existência delas em depoimento à CPI da Petrobras e de não as ter declarado no Imposto de Renda. O presidente da Câmara nega ter conta, mas apenas o usufruto de fundos geridos por trustes.

Em outro momento do depoimento, Meirelles disse que recebeu, a pedido de Youssef, três transferências de uma empresa do empresário Júlio Camargo,  totalizando US$ 5,1 milhões, na conta de uma empresa sua, chamada RFY, na China. Ele relatou que transformou esse dinheiro em reais e o entregou em espécie a espécie a Youssef.

Em uma das vezes, havia um entregador aguardando para pegar o dinheiro com Youssef e levá-lo para um condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Segundo Meirelles, esse emissário era o agente afastado da Polícia Federal Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Jayme Careca. A residência de Cunha no Rio fica em um condomínio na Barra.

Na ocasião, Meirelles disse que não sabia o destinatário do dinheiro, mas que, dias depois, em um almoço informal, Youssef disse que os US$ 5,1 milhões seriam destinados a Cunha. Relatou ainda que, quando teve conhecimento das delações do próprio Youssef e do Júlio Camargo, associou as acusações feitas por eles contra Cunha com as operações que tinha feito.

"Uma semana após a operação, almoçando com o Alberto, nesse mesmo dia eu vi o Júlio [Camargo] saindo do escritório do Alberto, fomos almoçar e ele me disse: 'Você nem imagina a pressão que eu estava sofrendo'. E disse que era do investigado [no Conselho de Ética], que era de Eduardo Cunha", afirmou.

Segundo Meirelles, após virem à tona as delações do Júlio Camargo e de Youssef, que mencionavam esse pagamento de propina a Cunha, ele pediu autorização ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, para buscar extratos na China das transações bancárias e que toda a documentação foi entregue à Procuradoria.


Leonardo Meirelles fala de repasse de US$ 5,1 milhões para Cunha
Leonardo Meirelles fala de repasse de US$ 5,1 milhões para Cunha


De acordo com a investigação dos procuradores, os recursos dizem respeito a propina recebida por Cunha em contratos da Petrobras de dois navios-sondas da empresa coreana Samsung Heavy Industries Co. e da japonesa Mitsui.

Meirelles confirmou aos deputados que sabia que os US$ 5 milhões que seriam destinados a Cunha estavam relacionados ao esquema de corrupção da Petrobras. Segundo ele, os repasses que eram feitos para suas contas vinham de empresas que prestavam serviço a empreiteiras ligadas à estatal.

"Sim, [sabia]. As operações das empresas de fachada de Youssef eram com empresas que prestavam serviços à Petrobras", disse, acrescentando que recebia 1% do valor bruto de todas essas transações. Ele informou ao conselho ter movimentado US$ 140 milhões durante quatro anos em que operou para Youssef.


Fonte: G1