Em nova audiência, ex-prefeita "ostentação" reafirma ser vítima

Ela responde por fraudes em licitações e diversas irregularidades.

Na quinta-feira (13/09) foi realizada audiência de um dos processos contra Lidiane Leite, que ficou conhecida nacionalmente como ex-prefeita "ostentação", do município de Bom Jardim, no estado do Maranhão, e o ex-companheiro dela e ex-secretário de Assuntos Políticos Beto Rocha.

Neste processo, Lidiane Leite e o ex-companheiro respondem por desvios de verbas da Educação através de fraudes em licitações de reformas de escolas e também por irregularidades no aluguel de veículos para a Prefeitura de Bom Jardim.

Ex-prefeita 'ostentação' Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)
Ex-prefeita 'ostentação' Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)

Segundo o Ministério Público do Maranhão, tudo começou quando em 2012 Beto Rocha foi impedido de ser candidato e para ter alguém da confiança dele na prefeitura indicou como substituta Lidiane, que na época era mulher dele. Eleita, Lidiane Leite nomeou Beto secretário e chefe da Comissão de Licitação.

“Nessa Ação nossa o Ministério Público imputa a Lidiane Leite, ao Beto Rocha e a organização criminosa que se instala em Bom Jardim o desvio de aproximadamente quatro milhões, sendo dois milhões e 700 mil apenas para locação de veículos dos quais na presente instrução está se configurando que realmente os veículos nem prestaram serviço em Bom Jardim e mesmo assim foram desviados dois milhões e 700 mil só para aluguéis de veículos. Além disso, está sendo também apurado a reforma das escolas que não ocorreram, pelo não nas três escolas que estavam licitadas no valor de 1 milhão e 300 mil”, contou o promotor Fábio Santos de Oliveira.

Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)
Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)

O processo está na fase de instrução em que a acusação e defesa apresentam seus argumentos e alegações. Após ouvir o Ministério Público, os réus, os advogados dos réus e as testemunhas o juiz então marcará o julgamento.

A ex-prefeita "ostentação" afirma ser vítima, o que não convenceu o promotor. “Infelizmente a alegação dela de que ela era uma mera participante não se confirmou e na verdade se confirma a versão do Ministério Público que ela teve participação pelo menos na execução da fraude”, acrescentou Fábio Santos. 

Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)
Lidiane Leite (Crédito: Reprodução)

O advogado de Lidiane, Berilo Freitas, argumenta que a ex-prefeita não tinha poder de decisão na Prefeitura de Bom Jardim. “Ela não tinha poder nenhum sobre nenhuma decisão, nenhuma contratação e nenhum tipo de pagamento. Ela nega veementemente que tenha ela mesma efetuado pagamento e desviado qualquer tipo de verba ou recurso da prefeitura”.

Condenação

Lidiane Leite foi condenada  em 2017 por improbidade administrativa e em setembro teve R$ 12 milhões bloqueados por determinação judicial.  Ela foi presa pela Polícia Federal, em São Luís, após passar 39 dias foragida. Ela só passou 11 dias na prisão e passou a cumprir pena em casa, com uso de tornozeleira eletrônica. 

Fonte: Com informações do G1-Maranhão
logomarca do portal meionorte..com