Em visita histórica a Riad, Lula se encontra com rei saudita

Lula se reuniu neste sábado com o rei saudita Abdullah

ah

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontrou neste sábado com o rei saudita Abdullah, na primeira viagem de um governante brasileiro à Arábia Saudita. Os dois líderes conversaram e jantaram juntos no palácio real de Riad, onde também devem assinar uma série de acordos bilaterais nas áreas política, econômica e cultural.

Lula chegou à capital saudita na manhã deste sábado, acompanhado por uma numerosa delegação de executivos brasileiros interessados em fazer negócios e explorar oportunidades comerciais com o país do Oriente Médio, um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

Assim que chegou, o presidente se encontrou com Abdurrahman al-Attiyah, secretáriro-geral do Conselho de Cooperação do Golfo, que pretende firmar um acordo de livre comércio com o Mercosul. Uma das áreas de maior interesse para os sauditas no Brasil é a agricultura, já que Riad está em busca de recursos para reforçar sua produção e procura oportunidades de compra ou aluguel de terras cultiváveis em outros países.

Dois acordos de destaque devem ser assinados no domingo: um entre a Petrobras e uma empresa de mineração saudita e outro envolvendo grupos farmacêuticos brasileiros e sauditas para a produção de insulina no país árabe.

No entanto, antes da viagem presidencial, o porta-voz de Lula em Brasília, Marcelo Baumbach, disse que as intenções do Brasil com a Arábia Saudita eram muito mais estratégicas do que comerciais. "Um bom diálogo com a Arábia Saudita é um elemento positivo para a relação do Brasil com outros países árabes, principalmente os do Golfo", indicou.

A Arábia Saudita é o maior mercado consumidor de produtos brasileiros no Oriente Médio, com US$ 5,5 bilhões anuais em negócios. O Brasil é o maior fornecedor saudita de carne de frango congelada, além de vender excelentes quantidades de carne bovina. A Arábia Saudita é a primeira parada da viagem de Lula, que antes de retornar ao Brasil ainda vai à China e à Turquia

Fonte: AE