Equipe de transição anuncia mais 3 ministros de Dilma

Futuro ministro da Justiça será o deputado José Eduardo Cardozo

A equipe de transição da presidente eleita Dilma Rousseff informou oficialmente por meio de nota nesta sexta-feira (3) os nomes de mais três integrantes do futuro ministério.

Da esq. para a dir., Antonio Palocci, José Eduardo Cardozo e Gilberto CarvalhoDa esq. para a dir., Antonio Palocci, José Eduardo Cardozo e Gilberto Carvalho (Fotos: Agência Brasil)

Foram anunciados o deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) para a Casa Civil; Gilberto Carvalho, para a Secretaria Geral da Presidência; e o deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP) para o Ministério da Justiça.

"Nota à imprensa

A presidenta eleita da República, Dilma Rousseff, convidou o deputado Antonio Palocci para ocupar a chefia da Casa Civil do futuro governo e o atual chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, para ser o titular da Secretaria Geral da Presidência. O deputado José Eduardo Cardozo, também convidado, assumirá o Ministério da Justiça.



A presidenta eleita orientou os futuros ministros a trabalhar de forma integrada com os demais setores do governo para dar cumprimento a seu programa de desenvolvimento, com distribuição de renda e garantia de estabilidade econômica.

Assessoria de imprensa da presidenta eleita Dilma Rousseff."

Além dos três ministros divulgados nesta sexta, já foram anunciados oficialmente os ministros Guido Mantega (Fazenda), Miriam Belchior (Planejamento) e Alexandre Tombini (Banco Central).

Havia a expectativa de que a equipe de transição de Dilma anunciasse nesta sexta outros nomes para o novo governo, mas a indefinição com partidos aliados, como o PMDB, fez com que a divulgação de mais integrantes da equipe ministerial fosse adiada para a próxima semana.

Nesta quinta, o senador e ex-ministro Hélio Costa (PMDB-MG) afirmou pelo Twitter que o partido já tinha acertado com Dilma a indicação de dois ministros: Edison Lobão, para as Minas e Energia, e Wagner Rossi, para a Agricultura. Não houve confirmação da informação pelas assessorias de Lobão e Rossi nem pela equipe de transição de governo.

Fonte: g1, www.g1.com.br