Governo fará entrega de casas em Cocal

Governo fará entrega de casas em Cocal

De acordo com a secretária da Sasc, as novas casas contam com total infraestrura

O Governo do Estado fará a entrega de 385 casas às famílias vítimas do rompimento da Barragem Algodões I, em Cocal da Estação, até o final de junho. Foi o que garantiu a secretária da Assistência Social e Cidadania (Sasc), Gilvana Gayoso, nesta quinta-feira (27), durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Piauí, ocasião em que representou o Governo do Estado.

Serão entregues 100 casas na agrovila de Olho Dágua, 116 na localidade Jacaré, 80 no povoado Massalina e 89 em Boíba. De acordo com a secretária da Sasc, as novas casas contam com total infraestrura, com água e energia elétrica, além de quatro escolas e quatro postos de saúde. Gilvana Gayoso adiantou que a partir da entrega das chaves das novas residências, o governo fará a doação de 6.500 cestas básicas, que serão distribuídas às famílias vítimas do rompimento da barragem por um período de seis meses.

O Governo do Estado ainda estará distribuindo 770 mosquiteiros, 770 lençóis, 770 colchões, 385 kits de limpeza e 385 filtros. Com relação à pensão para as vítimas da tragédia, o primeiro levantamento das famílias atingidas, feito com a participação da Prefeitura de Cocal, através da Secretaria Municipal da Assistência Social e a Comissão Municipal de Defesa Civil, apresentou irregularidades.

Agora, um novo cadastramento está sendo realizado pelo Governo do Estado, juntamente com o Ministério Público e a Procuradoria Geral do Estado, para, então, ser definido o valor a ser pago, que, segundo Gilvana Gayoso, poderá ser de R$ 100,00.

Foram distribuídos, este ano, às famílias vítimas do rompimento de Algodões I 24.800 toneladas de alimentos, 1.400 lençóis, 240 kits de limpeza e 750 colchões. A secretária da Sasc informou, ainda, que o Governo do Estado concluiu as obras de construção da ponte na divisa do Piauí com o Ceará e de mais dois bueiros.

Também estará negociando com o Banco do Nordeste do Brasil e o Banco do Brasil a anistia da dívida dos pequenos produtores rurais que tinham financiamento, mas perderam suas produções na enxurrada.

Fonte: CCOM, www.pi.gov.br