Ex-presidente do PP que negocia delação cita Aécio em depoimento

Pedro Corrêa citou o nome de Aécio Neves, derrotado por Dilma.

Em negociação com a força-tarefa da Operação Lava Jato e com a Procuradoria-Geral da República para firmar um acordo de delação premiada, o ex-presidente do PP (Partido Progressista) Pedro Corrêa adiantou ter informações capazes de comprometer aproximadamente cem políticos, entre eles dois ministros do atual governo: Jaques Wagner, da Casa Civil, e Aldo Rebelo, da Defesa.

 Pedro Corrêa
Pedro Corrêa

A relação apresentada por Corrêa durante as tratativas inclui ainda o nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais.

Preso em Curitiba, Corrêa foi condenado a 20 anos de prisão sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema da Petrobras. A sentença aponta recebimento de R$ 11,7 milhões em propina. O ex-deputado federal por Pernambuco já havia sido condenado a sete anos de prisão no processo do mensalão.

A menção a Jaques Wagner, homem de confiança da presidente Dilma Rousseff, se soma a outras feitas ao petista na semana passada.

Nas tratativas de sua delação, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró disse que o ministro recebeu recursos desviados da Petrobras para sua campanha ao governo da Bahia, em 2006. Wagner apareceu ainda em diálogos com o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, um dos alvos da investigação, prometendo interceder pela liberação de recursos para a empreiteira.

Segundo o jornal "O Estado de S. Paulo", mensagens entre Pinheiro e um funcionário da OAS indicam que o ministro intermediou também negócios entre a empreiteira e fundos de pensão.

NOMES

Corrêa também apresentou uma lista de supostos operadores, entre eles Benedito de Oliveira, o Bené, foco da Operação Acrônimo, que investiga suspeitas de irregularidades na campanha de Fernando Pimentel (PT) ao governo de Minas e indícios de compra de medidas provisórias.

As conversas para a delação de Corrêa foram iniciadas há cerca de seis meses. Num primeiro momento, o material era composto por 180 anexos divididos por temas. Depois, foi apresentada nova divisão por nomes de políticos, com e sem foro privilegiado.

A negociação para que condenado e investigadores oficializem o termo de colaboração premiada deve ser retomada nesta semana.

Se a delação for aceita, o ex-presidente do PP será beneficiado por uma redução das penas impostas a ele. Os procuradores e Corrêa negociam que ele pague multa de cerca de R$ 4 milhões e cumpra um ano e meio de prisão em regime fechado –a defesa quer reduzir esse tempo.

Investigadores disseram que, embora Pedro Corrêa venha narrando o enredo de uma "grande crônica política", ele até agora não entregou provas convincentes para boa parte dos episódios relatados. A defesa do ex-parlamentar pernambucano sabe que, para o acordo vingar, os termos precisam ser taxativos e concretos.

OUTRO LADO

Procurado pela reportagem, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, informou por meio da assessoria de imprensa que desconhece os termos em que foi citado tanto por Pedro Corrêa tanto por Nestor Cerveró. Por isso, ele disse que não iria se pronunciar.

O petista acrescentou, no entanto, que está à disposição das autoridades e confia no resultado das investigações. Na sexta (8), o petista chamou a acusação de Cerveró de "ilação".

Sobre as mensagens com Léo Pinheiro, Wagner disse estar "absolutamente tranquilo" e que suas atividades são baseadas nos interesses da Bahia e do Brasil.

Aldo Rebelo preferiu não comentar, assim como Aécio Neves. A assessoria do tucano alegou que ele não teve acesso ao contexto da citação feita por Corrêa.


Fonte: Folha de São Paulo