Executiva estadual do PT aprova expulsão do deputado Luiz Moura

Executiva estadual do PT aprova expulsão do deputado Luiz Moura

Decisão terá de ser ratificada pelo diretório estadual. Deputado é suspeito de envolvimento com facção criminosa.

A executiva estadual do Partido dos Trabalhadores decidiu, na manhã desta quinta-feira (31), pela expulsão do deputado estadual Luiz Moura (PT-SP) da legenda. Moura é suspeito de envolvimento com facções criminosas em São Paulo desde março, quando foi flagrado pela polícia em reunião com supostos criminosos. A decisão ainda precisa ser ratificada pelo diretório estadual do partido.

Segundo o presidente do PT em São Paulo, Emídio de Souza, a decisão pela expulsão foi unânime. O diretório, que tem o poder de expulsar de fato Moura do partido, vai se reunir na manhã desta sexta-feira (1º). De acordo com Souza, o deputado teve ?amplo direito de defesa?.

?Ele foi chamado para essa própria reunião. Foi notificado no dia 18 e foram dados dez dias para ele apresentar documentos, testemunhas. Hoje ele poderia trazer até oito testemunhas e não trouxe nenhuma, não veio?, disse.

Em entrevista à TV Globo por telefone, o deputado Luiz Moura disse que não recebeu sequer o direito de defesa e que está sendo expulso do partido por conta de um presidente (Emídio de Souza) "ditador".

"Ele está me expulsando sem me dar o direito de defesa, isso porque o PT é um partido que luta pela igualdade", afirmou o deputado. Ele assegura ser ficha limpa e diz que não cometeu nenhum crime. "Até porque, até agora, fazer reunião não representa um ato ilícito", disse.

O deputado acrescentou que não foi notificado sobre a reunião que aconteceu nesta quinta para tratar de sua expulsão do partido e voltou a alegar que não recebeu o direito de se defender. Ele disse, inclusive, que ficou sabendo sobre a notícia por meio da imprensa.

De acordo com o deputado, na quarta, a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça decidiu manter a liminar que garante sua candidatura. Moura disse que vai manter sua campanha e que continuará lutando na Justiça contra o PT para disputar as eleições de outubro.

Prejuízos

De acordo com o presidente do diretório estadual, a decisão foi tomada por causa do ?dano causado à imagem do PT por conta das acusações e depois ainda concluindo com a ação que ele fez contra o partido desestabilizando toda a nossa coligação?.

No início do mês, Moura conseguiu liminar anulando a convenção estadual petista, da qual ele não pôde participar por ter sido afastado do partido. A liminar foi derrubada, mas, se tivesse sido mantida, poderia implicar no fim das candidaturas estaduais petistas, inclusive as de Alexandre Padilha, candidato ao governo do estado, e de Eduardo Suplicy, que concorre à reeleição no Senado por São Paulo.

Moura já afirmou que é inocente e usou a bancada da Assembleia Legislativa para dizer que ainda não é nem objeto de investigação formal. O procurador-geral de Justiça do estado entrou com um pedido no Tribunal de Justiça (TJ) na última quinta (24) para investigar o deputado. Segundo o Diário Oficial, o objetivo é a apuração de eventual prática de crimes de organização criminosa, extorsão, constrangimento ilegal, apropriação indébita, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e abuso de autoridade. O TJ ainda não se manifestou.

Para o partido, porém, o fato de o deputado não ser ainda alvo de investigação é indiferente. ?A decisão do PT não precisa esperar fatos policiais ou conclusão de inquérito policial?, disse Souza. Segundo ele, a legenda ?não é um órgão de investigação?. ?Nós não temos qualquer tolerância com mal feito. Cabe aos partidos políticos filtrar aqueles que militam no seu interior e nós entendemos que a conduta dele não é compatível com as propostas do PT?, disse.

Fonte: G1