Marco Feliciano diz que só a morte o tira de Comissão de Direitos Humanos

Marco Feliciano diz que só a morte o tira de Comissão de Direitos Humanos

Como não se considera nem racista nem homofóbico, Feliciano deseja “provar isso” mantendo-se na poltrona

O deputado-pastor Marco Feliciano (PSC-SP) não exibe a mínima intenção de deixar a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Em entrevista a Sabrina Sato, ele disse: ?Uma renúncia minha agora é como se eu assinasse um atestado de confissão.?

Como não se considera nem racista nem homofóbico, Feliciano deseja ?provar isso? mantendo-se na poltrona. ?Fui eleito por um colegiado?, ele declarou. ?É um acordo partidário. E acordo partidário não se quebra. Só se eu morrer.? A conversa foi gravada na semana passada e levada ao ar na noite deste domingo (24).

Decidido a deixar claro que não mudou de ideia, Feliciano convidou os seus seguidores no Twitter a assistir à entrevista. Fez mais: pendurou em seu site um texto no qual informa que ?prepara viagem oficial à Bolívia?. Coisa para os ?próximos dias?.

Feliciano irá interceder em favor dos 12 corintianos recolhidos a uma cadeia boliviana depois da morte de um adolescente na partida do Corinthians contra o San Jose, no dia 20 de fevereiro. Para preparar a viagem, informa o texto, o deputado esteve com o embaixador da Bolívia no Brasil, Jerjes Justiano Talavera.

Tomado pela movimentação, Feliciano vai remar na contramaré de compromissos assumidos por dirigentes do seu partido com Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara. Reuniram-se com Henrique o deputado André Moura (SE) e o pastor Everaldo Pereira ?respectivamente líder e vice-presidente do PSC.

A dupla comprometeu-se com o presidente da Câmara a providenciar no final de semana a saída negociada de Feliciano. Desde que foi alçado ao comando da Comissão de Direitos Humanos, o deputado-pastor não consegue realizar sessões. Militantes de movimentos gays não permitem.

No dizer de Henrique Alves, chegou-se a uma situação que é ?ruim pra todo mundo: para o Feliciano, para o PSC, para a comissão e para a própria Câmara.? Ele espera receber uma resposta dos dirigentes do partido de Feliciano até esta terça (26). Do contrário, levará a encrenca à reunião que costuma realizar semanalmente com todos os líderes partidários.

Há um entrave regimental para a destituição de Feliciano. O pastor foi eleito pela maioria da comissão. Não pode simplesmente ser arrancado da cadeira à revelia. Der resto, nunca é demasiado recordar que as grandes e médias legendas da Câmara ?PT, PMDB, PSDB e PSB, por exemplo? foram cúmplices no descalabro.

Mais: PT e PMDB chegaram mesmo a ceder ao PSC assentos que detinham na comissão, permitindo que se formasse a maioria que ratificaria o nome de Feliciano. Pior: PT, PCdoB e o bloco PV-PPS tiveram a oportunidade de indicar um de seus deputados para cuidar dos Direitos Humanos. Preferiram escolher outras comissões.

Com isso, um colegiado que há 18 anos era comandado por legendas ditas de esquerda caiu nas mãos do Partido Social Cristão. O PSC ambicionava outra comissão, a de Fiscalização e Controle. De repente, ganhou de presente a possibilidade de levar à vitrine seu conservadorismo religioso em matéria de costumes. Cometeu, porém, um equívoco. Ao indicar Feliciano, esqueceu de maneirar.

Fonte: UOL