Partidos querem lançar filho de Tiririca como vereador em 2012

Partidos querem lançar filho de Tiririca como vereador em 2012

Segundo Tirulipa, o pai o aconselhou a não abandonar os estudos

Os partidos PSB, PR e PRB procuraram Everson Silva, filho do deputado federal Everardo Silva (PR-SP), o palhaço Tiririca, para que ele se candidate a vereador de Fortaleza em 2012, segundo confirmou o humorista nesta quinta-feira (6). ?Estão todos doidos atrás de mim. Dizem que eu tenho um nome legal, que meu pai está fazendo um bom trabalho; tal pai, tal filho. Estão me namorando?, diz Everson Silva.

Silva, que se tornou popular no Ceará como o palhaço Tirulipa, diz que ainda não se decidiu sobre as propostas. ?Já falei com meu pai e com a família sobre a proposta, mas eu sei que é muita responsabilidade e preciso pensar bem antes de tomar qualquer decisão?, diz Everson. Ele afirma que recebeu o conselho do pai de não abandonar os estudos. Everson ingressou nas faculdades de jornalismo e de rádio e TV, mas não concluiu.

?Também apareceram grandes oportunidades de trabalho e dificultou conciliar trabalho e estudo, por isso tranquei a faculdade. Se me candidatar, vai ser uma função a mais e ficar mais complicado?, avalia. Tiririca também aconselhou ao filho que "pense na família e nos amigos antes de tomar qualquer decisão", diz Everson.

Os candidatos têm até a sexta-feira (7) para se filiar a siglas partidárias. Como Everson Silva não é filiado a nenhum partido, ele terá até esse prazo para homologar a filiação se quiser se candidatar a vereador por Fortaleza no próximo ano. Ele afirma que vai tomar até a decisão até o fim do prazo e comunicar aos partidos que o procuraram.

O presidente do PSB de Fortaleza, Karlo Kardozo, confirma que ?ouviu extraoficialmente? a intenção do partido em convidar Everson Silva para o partido, mas informa que ele não está oficialmente filiado.

Tiririca foi eleito o deputado federal mais votado do Brasil pelo PR de São Paulo em 2010, com 1,3 milhão de votos. A candidatura de pessoas populares é usada pelos partidos para conseguir eleger mais candidatos aproveitando a proporcionalidade dos votos, prevista na lei eleitoral brasileira.

Fonte: G1