"Fiquei estarrecida", afirma Dilma Rousseff sobre relatório do FMI

Presidente diz acreditar no retorno do crescimento do país.

Na manhã desta sexta-feira, dia 22 de janeiro, a presidente Dilma Rousseff afirmou que ficou 'estarrecida' ao ler um trecho do relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a economia do país. A chefe do poder executivo também falou sobre o trecho em que é citado as investigações da Operação Lava Jato.

A presidente Dilma Rousseff
A presidente Dilma Rousseff

"Eu fiquei recentemente estarrecida com uma frase que li no relatório do FMI. Nós sabemos que o FMI fala muita coisa. No último relatório dele, avaliando a economia internacional, ele diz que três fatores são muito relevantes no atual cenário e explica as dificuldades que o mundo enfrenta: a diminuição do crescimento da China, instabilidade no Oriente Médio, e o terceiro era a continuidade da situação crítica no Brasil", disse.

Ela foi bem direta ao comentar outro trecho do relatório que  atribui a situação crítica do país não à economia, mas à instabilidade política e às investigações da Operação Lava Jato. "Ao que ele [FMI] atribuía a situação crítica do Brasil? Não era da economia, eram duas coisas. Instabilidade política e o fato de as investigações quanto à Petrobras terem prazo de duração maior e mais profundo do que eles esperavam, e que isso seriam os dois principais fatores responsáveis pelo fato de eles terem de rever posição do FMI em relação ao crescimento da economia no Brasil", questiona.

Dilma ainda se mostrou otimista ao mencionar o retorno do crescimento do país. "Na democracia, é absolutamente normal que a oposição critique, que qualquer um critique, se manifeste, divirja do que está acontecendo. Isso é normal, mas nós não podemos aceitar que as questões essenciais para o país não sejam objeto de ação conjunta para voltarmos a gerar emprego e renda. Faremos nossa parte", enfatizou. 




Fonte: Com informações do G1