FPM cai e compromete receitas municipais

“Em muitos casos o pagamento dos fornecedores ficará em segundo plano”, diz Luís Coelho

A queda de 3% do FPE no Piauí é pequena se comparada ao prejuízo dos municípios em março. A redução de repasse do Fundo de Participação dos Municípios é calculada em 31% no Estado para o primeiro repasse deste mês. Mais de 90% das Prefeituras piauienses, com FPM 0.6, receberão R$ 146 mil das três parcelas do Fundo. No ano passado esse valor foi de R$ 212 mil. Em todo o país, a queda foi de 45,31% em relação ao repasse de fevereiro. Precisando arcar com o aumento no salário mínimo e com o piso dos professores e dos agentes de saúde, os gestores perderam a principal arma para conduzir as finanças municipais: o planejamento. A avaliação é feita pelo prefeito de Paulista, Luís Coelho, que é membro do Conselho Fiscal da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Ele destaca que a consequencia imediata das quedas do FPM registradas desde janeiro deste ano será a interrupção de obras importantes conduzidas por recursos municipais. “Obras inerentes à questão local, como o alargamento de açudes, já que estamos em época de iminente estiagem, estarão inviabilizadas, trazendo danos para o futuro das cidades”, acredita Luís Coelho. O prefeito pondera que a prioridade dos prefeitos agora será quitar a folha de pagamento. “Em muitos casos o pagamento dos fornecedores ficará em segundo plano”, diz.

Fonte: Sávia Barreto, Jornal Meio Norte