Pré-sal: Freitas Neto não acredita no veto de Dilma

Pré-sal: Freitas Neto não acredita no veto de Dilma

A proposta de divisão dos royalties do pré-sal foi aprovada por 286 votos a favor e 124 votos contra

O ex-senador e diretor da Fiepi (Federação das Indústrias do Estado do Piauí) Freitas Neto comentou sobre a votação dos royalties do pré-sal, afirmando que não acredita que a presidente Dilma irá vetar a decisão acordada no senado. ?Se ela vetar, vai desagradar o país inteiro para favorecer o Rio de Janeiro e o Espírito Santo?, disse. Freitas Neto classificou as ameaças do governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral como ?terrorismo?. Ele e o secretário de Mineração Tadeu Maia estiveram hoje no programa Agora, da Rede Meio Norte.

A proposta de divisão dos royalties do pré-sal foi aprovada por 286 votos a favor e 124 votos contra. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou em resposta à decisão que, se for levado adiante, o projeto fará o estado perder R$ 4 bilhões. ?O estado fecha as portas, não faz Olimpíadas, não faz Copa do Mundo, não paga servidor público, aposentado, pensionista?, declarou Cabral. Segundo Freitas Neto, o estado, na verdade, não perde nada com o projeto. ?Só querem a manutenção de um privilégio?, disse.


Freitas Neto diz que não acredita no veto de Dilma

O secretário de Mineração Tadeu Maia afirmou que a aprovação do projeto foi uma vitória de todos os estados, e que a resolução da questão dos royalties do pré-sal era o último entrave contra a exploração do gás natural da bacia do rio Parnaíba. Após a sanção da presidente Dilma, deve ser realizado o leilão dos lotes para extração do gás. Tadeu Maia também comentou sobre outras riquezas minerais que o Piauí possui, como diamantes da região de Gilbués e Monte Alegre. ?O Estado está pesquisando. Em São Raimundo Nonato e Floriano, se encontra hotéis e pousadas esgotados de pesquisadores?, disse. Segundo ele, além da pesquisa, investimentos na área de infraestrutura de transporte precisam acontecer para que possamos usufruir destes recursos.

Fonte: Andrê Nascimento