Garibaldi Alves afirma que só desiste de sua candidatura à reeleição se o PMDB pedir

Ele foi lançado para disputar novamente o comando da casa pela unanimidade

O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), afirmou nesta segunda-feira (12) que só desistirá da candidatura à reeleição se houver um pedido de seu partido. Ele ressaltou que foi a bancada quem o indicou candidato e cobrou dos defensores do nome de José Sarney (PMDB-AP) uma posição pública sobre o assunto. Por enquanto, o adversário de Garibaldi na eleição é Tião Viana (PT-AC).

?Eu só desisto se o PMDB -aqueles que se reuniram naquela sala e me lançaram-, se reunir de novo e dizer que eu não sou mais candidato?, disse Garibaldi.

Ele foi lançado para disputar novamente o comando da casa pela unanimidade da bancada do partido na Casa, mas as especulações sobre uma candidatura de Sarney têm tirado força da pretensão de Garibaldi. O presidente do Senado, no entanto, avisa que o apoio a Sarney não seria automático. ?O presidente Sarney não me pediu para desistir e se ele (Sarney) pedir depende das circunstancias. Não vim ser candidato para desistir no meio do caminho."

Garantindo que vai ?até o final? na candidatura, o presidente do Senado lembrou que disputou 11 eleições, venceu dez e nunca desistiu. ?Quem é o candidato que vai me botar para correr??, desafiou.

Garibaldi pediu que as pessoas que defendem uma candidatura de Sarney façam esse apelo publicamente, mas ressaltou que a decisão sobre entrar na disputa é do ex-presidente. ?O presidente Sarney, ao que eu sei, não é candidato. Quem deve lançar a candidatura dele é ele mesmo."

O presidente do Senado acredita que já afastou eventuais dúvidas jurídicas sobre sua candidatura. A Constituição proíbe a reeleição dentro de uma mesma legislatura, mas Garibaldi argumenta exercer apenas um ?mandato tampão?, por ter sido eleito para substituir Renan Calheiros (PMDB-AL) já em dezembro de 2007.

Ele descartou ainda qualquer vinculação de sua eleição à possibilidade de crescimento da tese de um terceiro mandato para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. ?Não vejo ninguém na oposição defender essa tese esdrúxula. O terceiro mandato seria decidido por uma emenda constitucional e agora estamos tratando da eleição no Senado?. Garibaldi, por sua vez, não quis dizer se pretende disputar um terceiro mandato caso consiga a reeleição.

Fonte: g1, www.g1.com.br