Gerente da Petrobras diz que empresa economizou US$ 3 bi em Abreu e Lima

Abreu e Lima poderá custar US$ 18,5 bilhões (R$ 41,5 bilhões) quando ficar pronta

Em depoimento à CPI da Petrobras no Senado, o gerente-geral de Implementação de Empreendimentos da Petrobras, Glauco Colepicolo Legati, afirmou que a companhia estatal economizou US$ 3 bilhões nos contratos para a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Com custo inicial estimado em US$ 2,5 bilhões (R$ 5,6 bilhões), Abreu e Lima poderá custar US$ 18,5 bilhões (R$ 41,5 bilhões) quando ficar pronta. A previsão é que ela comece a operar em novembro. A Polícia Federal investiga suspeita de superfaturamento na obra.

Legati, que é responsável pela obra, negou qualquer possibilidade de superfaturamento na construção de Abreu e Lima e considerou normal as centenas de contratos e aditivos aprovados, que até mesmo a presidente da empresa, Graça Foster, em depoimento no parlamento, considerou com uma exemplo a não ser seguido.

"Temos demonstrado ao TCU que os preços estão aderentes e dentro dos referenciais do mercado. Os custos são compatíveis com a obra", afirmou o gerente.

Para justificar o atraso nas obras, que deveriam estar concluídas em 2011, Legati afirmou que a Petrobras teve que fazer novas licitações de vários contratos porque os preços pedidos pelas empresas estavam fora das margens de pagamento permitidas pela empresa. Segundo ele, a realização de novas concorrências fizeram com que a estatal pagasse US$ 3 bilhões a menos que as estimativas iniciais das companhias para os mesmos contratos.

"Esses processos [novas licitações] atrasaram a Refinaria mas tivemos resultados positivos, com economia de três bilhões de dólares entre as primeiras propostas e as propostas finais", afirmou Legati.

O engenheiro disse que tinha uma relação apenas profissional com o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que presidia o conselho da empresa criada pela Petrobras para realizar a obra da refinaria.

Costa é investigado pela suspeita de superfaturamento da obra. O ex-diretor foi um dos 13 presos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga suposto esquema de lavagem de dinheiro na estatal. As suspeitas dos policiais são de que o esquema teria movimentado através de doleiros R$ 10 bilhões com um desvio de até R$ 400 milhões.

Em entrevista à Folha no dia 1° junho, Costa afirmou que a Petrobras decidiu construir a refinaria de Abreu e Lima fazendo uma simples "conta de padeiro" e sem ter um projeto definido. Legati afirmou que a estatal fez o processo normal para a refinaria, fazendo primeiro um projeto básico e depois concluindo com um projeto mais elaborado, o que resultou nos valores mais altos para a construção.

HISTÓRICO

A oposição boicota a CPI exclusiva do Senado por considerá-la "chapa branca" e criou outra, a CPI mista, com a participação de deputados e senadores, para também investigar os negócios da Petrobras.

Nela, acreditava a oposição, haveria mais liberdade para investigar. A oposição acusou os parlamentares governistas de blindar a presidente da Petrobras, Graça Foster.

Ontem, apenas o senador José Pimentel (PT-CE), relator da comissão, fez perguntas ao depoente (pouco mais de 50). A sessão foi presidida pelo senador Antonio Carlos Rodrigues (PR-SP), que é vice-presidente da comissão. Além dele, apenas o senador Ciro Nogueira (PP-PI) passou na comissão, assinando a lista de presença e deixando o plenário minutos depois.

Fonte: Folha