Google se nega a liberar informações sobre usuários

Google se nega a liberar informações sobre usuários

O Departamento de Justi?a dos Estados Unidos pediu a um juiz federal americano para obrigar o Google, o maior site de buscas do mundo, a entregar informa?es confidenciais sobre milh?es de usu?rios, como parte de um esfor?o do governo em restringir a pornografia na rede. Parte das informa?es s?o do "The New York Times".

O Google vem se negando a entregar as informa?es, enquanto que seus tr?s principais concorrentes - Yahoo, Microsoft e America Online - concordaram em colaborar com o governo americano.

O Departamento de Justi?a pediu dois tipos de informa??o ?s empresas: os termos teclados pelos usu?rios nos sistemas de buscas e a lista de sites acessados pelas pessoas que ficam indexados nos sistemas de buscas.

A disputa com o Google vem num momento em que o governo americano est? agindo de forma agressiva para conseguir informa?es da rede relativas a seguran?a nacional e a crimes cibern?ticos. A natureza deste caso do Google, no entanto, ? diferente, j? que o governo n?o quer informa?es sobre os usu?rios individualmente, mas sim definir um padr?o de buscas relacionados ? pornografia.

Mesmo assim, teme-se que a medida abra um precedente para que essas empresas tenham que fornecer informa?es sobre os h?bitos de buscas dos usu?rios cada vez que o governo considerar um determinado assunto importante. O caso abre o debate sobre a pol?tica de privacidade e a rela??o desses sites de buscas com o governo dos Estados Unidos.

O Google alega que, al?m de caro e exagerado, o procedimento poderia expor a privacidade de seus usu?rios. As informa?es passadas pelas outras empresas n?o permitiriam a identifica??o dos usu?rios, mas n?o se sabe exatamente que dados foram liberados.

O pedido inicial dos EUA contemplava todos os endere?os de p?ginas (URLs) indexados em 31 de julho de 2005 e todos os termos usados nas barras de busca entre 1 de junho e 31 de julho. Mas j? se sabe que, pelo menos no caso do Google, o governo americano negociou e reduziu o volume de informa?es pedido. Seriam um milh?o de URLs e todos os termos digitados no sistema de buscas durante uma semana.

Fonte: Portal Meio Norte
Tópico