Governador cassado do Tocantins, Marcelo Miranda, diz que "luta não acabou"

Miranda deu a declaração na porta do Palácio Araguaia, onde aguardava a chegada de seu substituto

Após ter a cassação mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite de terça, o governador cassado de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), afirmou, nesta quarta-feira (9), que "a luta não acabou" e que continuará trabalhando pelo Estado.

Miranda deu a declaração na porta do Palácio Araguaia, onde aguardava a chegada de seu substituto, o presidente da Assembleia Legislativa e companheiro de partido, Carlos Henrique Gaguim (PMDB), que já tomou posse, a quem entregará o cargo. Todos os secretários estaduais também sairão do governo, segundo Miranda.

"Entrei pela porta da frente e sairei pela porta da frente. Desejo que o governador seja muito feliz", afirmou.

Marcelo Miranda negou as acusações de abuso do poder político nas eleições de 2006. "Continuo dormindo em paz", respondeu.

Gaguim assume interinamente até que o novo governador seja escolhido, em eleição indireta, pelos 24 deputados estaduais. "É uma determinação do TSE que tem de ser respeitada. O eleitor indireto deve ser respeitado, os deputados estaduais representam o eleitorado. Mas a comunidade tem de ser chamada a participar também", disse Miranda.

Ele afirmou que, se for convocado pelo PMDB a participar da campanha-relâmpago para escolha do "governador-tampão", estará "pronto para contribuir". Um dos nomes do PMDB para disputar o governo é o próprio Carlos Gaguim.

Na noite de terça, o governador cassado do Tocantins disse ao G1 que não pretende recorrer da decisão do TSE. ?Vou cuidar um pouco da família, tenho duas crianças. Agora estou pronto para exercer o mandato de marido?, afirmou.

Cassados no dia 26 de junho por abuso de poder político nas eleições de 2006, Miranda e o vice terão que deixar o cargo imediatamente. Ainda cabe recurso contra a decisão, mas agora somente no STF. "A Justiça determinou, nós acatamos. Desejamos sorte para o próximo governador", declarou.

Miranda disse que não vai sair da política. ?Agora é que eu vou começar a trabalhar, porque 2010 está chegando, está perto?, afirmou. Vou visitar as obras que eu fiz nesses anos todos.?

Miranda acompanhou a decisão do TSE em sua casa, ao lado do vice. ?A casa está cheia, com muitos amigos. Estou com a consciência tranquila. O que eu construí nesses anos todos foi em prol da comunidade Eu não me apeguei ao poder.?

Fonte: g1, www.g1.com.br