Governo de Wilson Martins retoma obras dos Tabuleiros Litorâneos

Investimentos serão da ordem de R$ 120 milhões. A produção de frutos orgânicos é o grande diferencial

As obras de implantação da segunda etapa do perímetro irrigado Tabuleiros Litorâneos, em Parnaíba, serão retomadas na próxima semana e deverão ser concluídas num período de doze meses, de acordo com contrato assinado entre o Governo do Estado e a empresa vencedora da concorrência pública, já publicado no Diário Oficial da União.

Com a implantação da segunda etapa, o perímetro terá mais 5,985 mil hectares. Serão investidos R$120 milhões, recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A retomada inclui obras civis, fornecimento e montagem de equipamentos.

Com cerca de 2,5 mil hectares implantados em sua primeira fase, o projeto Tabuleiros Litorâneos tem na produção de frutos orgânicos o seu grande diferencial. São mais de 700 hectares com produtos livres de agrotóxicos e com mercado garantido fora do Piauí. ?É o projeto de maior impacto na região Norte do estado?, garante José Carvalho Rufino, coordenador estadual do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas no Piauí (Dnocs), órgão responsável pela implantação do projeto.

Mercado garantido

Projeto Tabuleiros Litorâneos(Foto: Thiago Amaral)

O cultivo orgânico nos Tabuleiros Litorâneos começou há quase dez anos e a tendência é de que em pouco tempo toda a área cultive somente produtos livre de agrotóxicos. Segundo os irrigantes, o produto orgânico agrega valores e tem mercado garantido.

?Nossa produção de acerola é vendida antecipadamente, sem qualquer dificuldade, para uma multinacional que tem indústria na cidade de Ubajara, no Ceará?, diz o irrigante Antônio Lúcio, ele próprio um dos descobridores das vantagens da produção orgânica.

Empreendimento

O Perímetro Irrigado Tabuleiros Litorâneos do Piauí é um empreendimento agroindustrial que tem como principal objetivo impulsionar a produção agrícola irrigada, promovendo a geração de emprego e renda, dentro dos princípios do desenvolvimento local, integrado e sustentável, proporcionando avanços qualitativos nas atividades econômicas, sociais e ambientais. A gestão é de responsabilidade dos próprios produtores.

A captação de água do projeto é feita no rio Parnaíba, por meio de um canal de aproximação com 1.340 metros de extensão, por onde a água é conduzida para câmaras de sucção da principal estação de bombeamento. De lá, por um canal de 1,5 mil metros, segue para um reservatório de compensação e para o canal adutor principal. A rede de adução é completada pelos canais secundários, que possuem 4.820 metros de extensão e terciários, com 8.520 metros.

Fonte: CCOM