Governo inaugura Unidade de Telemedicina no Hospital Getúlio Vargas

O objetivo é promover a integração entre as diversas instituições

O secretário de Saúde, Francisco Costa, inaugura no Hospital Getúlio Vargas (HGV) a Unidade de Telemedicina, uma realização da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE). O objetivo é promover a integração entre as diversas instituições por intermédio de videoconferências e Telessaúde. Foram investidos recursos na ordem de R$ 100 mil reais. A Unidade vai receber o nome do Prof. Arimatéa Santos, que foi professor titular de Ginecologia da Universidade Federal do Piauí e um dos fundadores do Curso de Medicina no Piauí.

Para a diretora geral, Clara Leal, o projeto vai proporcionar o desenvolvimento de ações de apoio à assistência à saúde e, sobretudo, de educação permanente visando a educação para o trabalho na perspectiva de mudanças de práticas que resulte na qualidade do atendimento.

Para assessora de planejamento do HGV, Ana Célia Santos, o hospital foi priorizado pelo Ministério da Saúde e Ministério da Tecnologia por ser uma instituição que desenvolve programas de formação como Residência em Medicina e Multiprofissional em Saúde, Especialização e estágios curriculares e extra-curriculares.

O coordenador do Serviço de Tecnologia e Informação do HGV, André Andrade, explica que sua implantação traz impactos científicos, tecnológicos, econômicos e sociais para os serviços médicos já existentes, permitindo a adoção de medidas simples e de baixo custo, como a implantação de sistemas de análise de imagens médicas com diagnósticos remotos, que pode contribuir muito para diminuir a carência de especialistas, além de proporcionar treinamento e capacitação de profissionais da área médica sem deslocamento para os centros de referência.

Ele destaca que a RUTE dispõe da infraestrutura de alta capacidade do backbone(Rede Transporte) nacional da RNP, a rede IPÊ e das Redes Comunitárias Metropolitanas de Educação e Pesquisa (Redecomep). Esta iniciativa complementa o esforço coordenado de prover uma infra-estrutura fim-a-fim (nacional, metropolitana e institucional) adequada ao uso de aplicações avançadas de rede.

A iniciativa provê a infraestrutura de serviços de comunicação, assim como parte dos equipamentos de informática e comunicação para os grupos de pesquisa, promovendo integração e conectividade e disseminando atividades de P&D das instituições participantes. “A utilização de serviços avançados de rede deverá promover o surgimento de novas aplicações e ferramentas que explorem mecanismos inovadores na educação em saúde, na colaboração a distância para pré-diagnóstico e na avaliação remota de dados de atendimento médico”, destaca André Andrade.

A Rute possibilita, em um primeiro momento, a utilização de aplicativos que demandam mais recursos de rede e o compartilhamento dos dados dos serviços de telemedicina dos hospitais universitários e instituições de ensino e pesquisa participantes da iniciativa. Em um segundo momento, a Rute leva os serviços desenvolvidos nos hospitais universitários do país a profissionais que se encontram em cidades distantes, por meio do compartilhamento de arquivos de prontuários, consultas, exames e segunda opinião.

A Rede Universitária de Telemedicina é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia, apoiada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e pela Associação Brasileira de Hospitais Universitários (Abrahue) e coordenada pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), que visa a apoiar o aprimoramento de projetos em telemedicina já existentes e incentivar o surgimento de futuros trabalhos interinstitucionais.

Fonte: Com informações do Portal do Governo