Sigilo de 46% dos gastos com cartões corporativos é mantido

Os cartões devem ser usados como exceção para suprir despesas excepcionais

Quase metade dos gastos do governo federal com cartões corporativos foram mantidos em sigilo em 2012, apesar da entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, informa a edição deste domingo do jornal Estado de S.Paulo. A justificativa para a não divulgação dos dados é que as informações seriam estratégicas para a segurança da sociedade e do Estado brasileiro.

Até setembro - os dados do último trimestre ainda não foram compilados pela Controladoria-Geral da União (CGU) -, 46,2%, R$ 21,3 milhões, dos R$ 46,1 milhões gastos pelos mais de 13 mil cartões à disposição de órgãos do governo federal foram secretos. A maioria das transações foi efetuada pela Presidência da República, em que 95% das compras e saques são sigilosas, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Polícia Federal.

Segundo a legislação, os cartões corporativos, criados em 1998 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, devem ser usados como exceção para suprir despesas excepcionais ou de pequeno vulto.

Fonte: Terra, www.terra.com.br