Governo sinaliza reajuste de 7,7 por cento para aposentados

A medida depende ainda de um acordo entre os parlamentares da Câmara e do Senado

O governo sinalizou nesta quarta-feira estar disposto a dar um reajuste de 7,7 por cento aos aposentados e pensionistas que ganham mais de um salário mínimo, mas a medida depende ainda de um acordo entre os parlamentares da Câmara e do Senado e a chancela final do Executivo.

Líderes governistas do Senado, deputados da base aliada, sindicalistas e representantes dos aposentados chegaram a um entendimento sobre o percentual. No entanto, o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), criticou a iniciativa, uma vez que a matéria ainda tramita na Casa. Ele é o relator da proposta na Câmara.

"Eles fizeram uma reunião, e não um acordo. Não estavam autorizados a fazer o que fizeram", disse à Reuters Vaccarezza, ameaçando defender na Câmara o reajuste 6,14 por cento, a proposta original do Executivo.

Antes, o deputado havia indicado que poderia concordar com um aumento de 7 por cento.

"Esse acordo entre Câmara e Senado é necessário, não seria possível votar uma coisa na Câmara e outra na outra Casa", afirmou a jornalistas a líder do governo no Congresso, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), após a reunião com sindicalistas, aposentados e outros parlamentares.

O reajuste de 6,14 por cento custaria 6,7 bilhões de reais à União. Segundo Vaccarezza, um aumento de 7 por cento teria um impacto adicional de 1,1 bilhão de reais, enquanto um aumento de 7,7 por cento geraria mais 600 milhões de reais em despesas para o governo. Na Câmara, a oposição cobra um reajuste de 9 por cento.

Fonte: Yahoo