Governos interino e deposto chegam a acordo em Honduras

Acordo inclui volta do deposto ao poder, diz negociador pró-Zelaya

Os representantes dos governo interino e provisório de Honduras chegaram nesta quarta-feira (14) a um acordo que poderia resolver a crise política no país, informou Victor Meza, negociador-chefe pelo lado do presidente deposto, Manuel Zelaya. O acordo, segundo Meza, prevê a volta da situação anterior ao golpe de Estado de 28 de junho.

"Chegamos a um acordo de um texto unificado que vai ser discutido e analisado pelo presidente Zelaya e pelo senhor Micheletti", disse Victor Meza, que representava o líder deposto na negociação. "Não diria que é o fim da crise política, mas é uma saída, sim." O documento ainda precisa ser aprovado por Zelaya e pelo presidente interino, Roberto Micheletti -que, até agora, vinha se recusando a admitir a volta de Zelaya ao poder.

Representantes dos dois lados iriam consultá-los ainda nesta quarta. Honduras está em crise política desde 28 de junho, quando Zelaya foi derrubado por um golpe militar. A situação agravou-se em 20 de setembro, quando o presidente deposto voltou de surpresa no país e abrigou-se na Embaixada do Brasil, em Tegucigalpa. 12 pontos É o segundo dia de reunião entre os negociadores.

Na terça-feira (14), após sete horas de conversas, os representantes de ambos os lados disseram ter avançado em mais de 90% do Acordo de San José, proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Árias, que tem 12 pontos. Os negociadores também teriam começado a analisar a restituição de Zelaya à Presidência, principal ponto do acordo, informou, de Tegucigalpa, o enviado da Globo News ao país, Rafael Coimbra. Neste meio tempo, se aproxima o prazo dado pelo presidente deposto para retornar ao poder, que vence na próxima quinta-feira (15).

O líder da Frente nacional de Resistência Contra o Golpe, Juan Barahona, deixou de fazer parte da comissão que negocia o acordo.

Fonte: g1, www.g1.com.br