Grupo usa facebook para confiscar cavaletes políticos expostos fora do horário permitido

'Cavalete Parade' reúne pessoas que farão exposição em Piracicaba (SP). Propagandas políticas podem ficar expostas só das 6h às 22h, prevê a lei.

O Facebook foi usado por um grupo de artistas de municípios do Brasil, que se mobilizaram para a retirada de cavaletes de propaganda política expostos além do horário permitido pela Justiça Eleitoral, que é das 6h às 22h. O objetivo da retirada é o uso das telas como objetos para pinturas artísticas. Ao final, será organizada uma mostra de arte, o "Cavalete Parede", prevista para acontecer no dia 27 de setembro, na Praça José Bonifário, na região central de Piracicaba, em São Paulo.



 

De acordo com o publicitário Kleiton Viana, um dos organizadores do ato na cidade, o objetivo do evento é transformar em arte a irresponsabilidade de alguns candidatos. "Todas as informações do candidato têm que ser apagadas antes da pintura, não queremos expor nenhum candidato e dizer quem deixou os cavaletes fora do horário permitido por lei", afirmou.

 Conforme a legislação eleitoral, "é permitida a colocação de cavaletes, bonecos, cartazes, mesas para distribuição de material de campanha e bandeiras ao longo das vias públicas, desde que móveis e que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos". A lei prevê ainda que as propagandas podem ser colocadas nas calçadas, canteiros e rotatórias a partir das 6h, mas devem ser retiradas até 22h.

No evento do Facebook, os organizadores orientam os participantes a tirarem uma foto do cavalete irregular antes de retirá-lo das ruas. "O trabalho que será feito vai da inspiração de cada um. Caso a pessoa não saiba pintar, pode colar fotografias, escrever um conto ou microconto. É uma oportunidade de expor seu trabalho", afirmou Viana. A exposição está marcada para começar às 14h do dia 27.

Candidato lesado?
De acordo com a assessoria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não há na legislação termos que proíbam especificamente a retirada dos materiais como ela tem sido feita pelos participantes do "Cavalete Parede". No entanto, o TSE informou que se algum candidato se sentir lesado pela ação poderá levar o assunto para a Justiça Eleitoral, que avaliará cada caso individualmente.

Clique aqui e curta a página do meionorte.com no Facebook

Fonte: G1