Gurgel diz que ainda analisa para onde enviar depoimento contra Lula

Procurador disse que enviaria depoimento de Valério na segunda para SP. Operador do mensalão declarou que pagou despesas do ex-presidente

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta terça-feira (5) que ainda estuda para qual estado enviar trechos de um depoimento em que o operador do mensalão, Marcos Valério, declara que pagou despesas pessoais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na última sexta (1º), Gurgel disse que enviaria a apuração ao Ministério Público Federal em São Paulo nesta segunda (4). O procurador-geral, contudo, informou que após uma segunda avaliação, ficou em dúvida sobre o local para onde deveria repassar as acusações de Valério.

Segundo o chefe do Ministério Público, há a possibilidade de os documentos serem enviados para Minas Gerais ou para o Distrito Federal. Gurgel assegurou nesta noite que despachará as quatro páginas em que Valério cita o ex-presidente da República nesta quarta-feira (6).

"De início, tendi, realmente, para São Paulo. Mas hoje estava examinando a questão de Minas, onde há alguns feitos que foram desmembrados do Supremo, e, eventualmente, o Distrito Federal. Estou concluindo o exame desse aspecto. Não há dúvida nenhuma quanto à remessa para a primeira instância, mas quero me certificar que enviei para o local mais adequado", disse Gurgel ao final da sessão desta terça do Tribunal Superior Eleitoral.

O procurador-geral explica que sua dúvida em torno do destino final do depoimento tem relação com a capilaridade do esquema criminoso operado por Marcos Valério, condenado a mais de 40 anos de prisão pelo Supremo.

De acordo com Gurgel, em certos momentos do depoimento prestado em setembro à Procuradoria-Geral da República, Valério se refere a fatos que começam em determinado estado e o pagamento é realizado em outro. "Isso gera uma perplexidade quanto ao local", observou.

Gurgel explicou que um dos critérios que poderá utilizar para definir qual sede do Ministério Público Federal irá receber os trechos do depoimento é a existência de investigações em curso que tenham ligações com as denúncias de Valério. Ele, no entanto, diz que há o risco de o procurador da República que receber o processo entender que os fatos não são de sua competência.

?Pode ser Minas, onde há muita coisa do mensalão. Devo, até amanhã [quarta], fechar isso. Já devo remeter. Saindo daqui [da sede do TSE] vou trabalhar nisso?, destacou Gurgel.

Fonte: G1