Gurgel chama Valério de jogador após declarações sobre Lula

Revista "Veja" disse que Valério classificou Lula como "chefe" do mensalão. Se surgirem provas com entrevista, poderá haver nova investigação, disse

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta segunda-feira (17) que Marcos Valério é um ?jogador? e que eventuais declarações do réu durante o andamento do processo do mensalão precisam ser vistas "com cautela?.

Reportagem publicada na edição deste final de semana da revista ?Veja? afirma que Marcos Valério, apontado como o operador do mensalão, disse a pessoas próximas que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era o "chefe" e "fiador" das operações e tinha conhecimento do suposto esquema, atualmente em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.

Nesta segunda (17), o STF iniciou a etapa do julgamento que analisará as acusação contra o chamado "núcleo político" do mensalão, que envolve o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e outros políticos

?É preciso ver primeiramente que tipo de jogo está sendo feito neste momento. Marcos Valério é uma pessoa que, ao longo de toda participação dele nesse processo, ele deixou muito claro que é um jogador, e é preciso ver então que tipo de jogo está sendo feito?, afirmou.

Segundo Gurgel, a suposta declaração de Valério não pode interferir no julgamento do mensalão.

"A gente tem esse tipo de declaração no momento em que aparentemente ele já se ressente das condenações que já sofreu, precisa olhar com muito cuidado. Em primeiro lugar, é claro que não interfere nesse julgamento que está em andamento. Agora, a partir daí pode surgir material, eventualmente, para instauração de novo procedimento", disse.

Marcos Valério já foi condenado por corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro.

O procurador disse que, se surgirem provas que corroborem a afirmação do réu, nova investigação poderá ser aberta na primeira instância, já que Lula, depois que saiu da Presidência, deixou de ter foro privilegiado.

"O ex-presidente não detém mais prerrogativa de foro. [...] Nesse momento, a prioridade é a conclusão do julgamento e depois examinamos isso. Claro que são declarações importantes que devem ser examinadas", completou.

Na reportagem, publicada na edição deste final de semana, a revista informa que Valério não concedeu entrevista e que as declarações atribuídas a eles foram colhidas com amigos, parentes e pessoas associadas a ele.

Novo depoimento de Valério

Para Gurgel, a reportagem de "Veja" não justifica, no momento, que o réu preste novo depoimento em juízo.

?Não acho que seja suficiente. Nesse momento, eu não acho que seria adequado [um novo depoimento de Valério] porque, repito, as declarações tem que ser tomadas com muita cautela", completou. "Vamos ver como as coisas se desenrolam", disse.

Segundo Roberto Gurgel, "a grande prioridade do Ministério Público neste momento é a conclusão do julgamento". "A gente, então, vai analisar esses outros aspectos. Acho que não é bom ficar misturando as coisas", declarou.

Ainda conforme o procurador, Marcos Valério só poderia fazer um acordo de delação premiada em um eventual novo processo. "Nesse não mais. Já estamos na fase de julgamento."

Mandados de prisão

Em relação à declaração do ex-ministro José Dirceu de que não fugiria do país caso seja condenado, o procurador afirmou que insistirá em pedir a expedição de mandados de prisão ao final do julgamento e que não pensa em pedir a retenção de passaportes.

"O que vou insistir é o que eu disse no final da minha sustentação. Nada justifica que eventual decisão condenatória que ainda não temos, mas em relação aos réus que haja decisão condenatória, nada impede que seja executado imediatamente."

Fonte: G1