Haddad lamenta comparação de Russomanno e Lula; detalhes!

O candidato à prefeitura de São Paulo, Haddad, criticou neste sábado a comparação feita pelo adversário

O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou neste sábado a comparação feita pelo adversário Celso Russomanno (PRB) com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Acusado pelos oponentes de não ter experiência, o ex-apresentador afirmou que Lula, antes de se eleger em 2002, só tinha experiência de um mandato de deputado federal e como líder sindical "e foi um bom presidente".

Após carreata pelo Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, Haddad afirmou que Russomanno e Lula "não têm paralelo". "É muito diferente a trajetória de uma pessoa e a de outra. Uma vem da luta social e com apoio de uma grande parcela da intelectualidade brasileira. O outro ainda não apresentou sequer o seu coordenador de seu plano de governo, parece que está contratando de última hora uma pessoa para ajudá-lo. Ele não tem equipe", criticou o petista.

Na pesquisa Datafolha divulgada na última quinta-feira, que mostra uma queda de cinco pontos percentuais de Russomanno (PRB), Haddad aparece como o maior beneficiário da queda. No segmento das famílias com renda entre 2 e 5 salários mínimos, que representa cerca de 40% da amostragem da pesquisa, por exemplo, Russomanno perdeu sete pontos, e Haddad subiu cinco; Serra ganhou apenas um. Perguntado sobre a mudança, Haddad manteve um tom ácido e afirmou que o candidato do PRB vai perder apoio à medida que as pessoas conhecerem suas propostas.

"Essa ideia de cobrar a tarifa de ônibus proporcional à distância vai desempregar as pessoas na periferia, porque o empregador vai gastar menos com vale-transporte contratando quem mora perto. Isso não é correto, vai gerar um grande problema com os trabalhadores da periferia e ele (Russomanno) tem que reconhecer", afirmou Haddad, para quem "a população da periferia conhece o problema e não aceita essa ideia". "Tanto quanto as pessoas da periferia ficarem cientes das ideias do Russomanno ele vai perder apoio. Porque é injusto com quem mora na periferia sofrer discriminação em função de quem mora nos bairros centrais."

Fonte: Terra, www.terra.com.br