Inauguração de obras inacabadas gera debate e muita polêmica entre Lula e Serra

Com a proximidade da eleição presidencial, tucanos e petistas têm acusado uns aos outros de inaugurar obras inacabadas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se antecipou a possíveis críticas de adversários e tratou de justificar tanto a presença na inauguração de uma obra não concluída na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, quanto o fato de ela ter sido questionada pelo Tribunal de Contas da União, sob suspeita de superfaturamento. Acompanhado da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, provável candidata do PT à Presidência, ele destacou, principalmente, a criação de empregos no projeto.

Logo no início do discurso, ele destacou que perguntas sobre viagens e inaugurações feitas por governantes em época eleitoral não são exatamente uma novidade. ?Fiz uma brincadeira esses dias. Disse que nesta época tem gente inaugurando até maquete?, afirmou, enquanto os ouvintes gargalhavam. ?Mas eu não sabia que o governador de São Paulo (José Serra) ia inaugurar uma maquete e ficou como se eu soubesse, mas não sabia, falei porque isso faz parte da cultura política do país?, emendou.

A distância, José Serra deu uma resposta pela imprensa ao presidente. O tucano afirmou que foi à região de Santos, onde inaugurou a ?maquete?, anunciar um entendimento entre municípios para iniciar a obra. ?O que fui fazer outro dia foi o anúncio do acerto que concluímos com as prefeituras de Santos e do Guarujá. O importante é uma obra com começo, meio e fim. Estruturada.? Com a proximidade da eleição presidencial, tucanos e petistas têm acusado uns aos outros de inaugurar obras inacabadas.

Propeno

No caso da Repar, Lula sustentou que a obra é importante, primeiramente, por gerar 15 mil empregos agora e que devem chegar a 25 mil entre junho e julho. As obras de ampliação e modernização, que começaram em 2006 e vão até 2012, contemplam 19 unidades, das quais três foram inauguradas ontem, a principal delas uma de produção de propeno, produto utilizado em plásticos. Elas custarão US$ 5,4 bilhões, o maior investimento da Petrobras. ?Como não poder dizer que isso é importante??, questionou o presidente da estatal, Sérgio Gabrielli. Quanto às suspeitas de superfaturamento, Lula disse ser a favor da investigação, mas sem prejudicar a criação de empregos.

Fonte: Correio Braziliense