Investidores podem continuar confiando no Brasil, diz Barbosa

Barbosa é visto como uma pessoa de grande afinidade com a president

Dilma dá posse a Nelson Barbosa (Crédito: Agência Brasil )
Dilma dá posse a Nelson Barbosa (Crédito: Agência Brasil )


O novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou em discurso logo após sua posse que os investidores nacionais e estrangeiros podem continuar confiando no Brasil. Na tarde desta segunda-feira (21), durante cerimônia de transmissão de cargo, ele afirmou que o maior desafio do país nesse momento é estabilizar e, num segundo momento, reduzir a dívida pública brasileira.

Barbosa disse que os desafios econômicos do Brasil "demandam ações imediatas" e fez um apelo a "todos os poderes da União" para "superar os problemas atuais".

Aos investidores, Barbosa pediu confiança e disse que vai tomar todas as medidas necessárias para retomar o crescimento da economia.

"Apesar das turbulências, os investidores nacionais e internacionais podem confiar no Brasil. Trabalharei para transformar nosso potencial em oportunidades concretas", disse.

Posse

Mais cedo, durante a cerimônia de posse, no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a presença de Joaquim Levy nos primeiros 12 meses de seu segundo mandato foi "decisiva" para que o governo realizasse "ajustes imprescindíveis".

Levy deixou o governo federal na última sexta-feira (18), substituído por Nelson Barbosa, que comandava o Ministério do Planejamento.

Perfil

Homem de confiança da presidente Dilma Rousseff, Barbosa assume a chefia da área econômica do governo após discordar de Levy e se impor nos embates sobre as medidas para reestabelecer o reequilíbrio da dívida pública, sobretudo no que diz respeito ao nível da meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida).

Economista de formação e com um perfil mais técnico do que político, Barbosa é visto como uma pessoa de grande afinidade com a presidente, embora seja encarado pelo mercado como "desenvolvimentista", uma vez que ao longo do ano conseguiu convencer a presidente Dilma de medidas e metas menos dolorosas do que as que eram propostas pelo colega Levy.

Barbosa assume a Fazenda com o desafio de manter o esforço pela reorganização das contas públicas e de resgatar a confiança na retomada do crescimento da economia diante do quadro de profunda recessão, inflação de volta à casa dos dois dígitos e com o país tendo perdido o selo de bom pagador por duas agências de classificação de risco.

Planejamento

No lugar de Barbosa no Ministério do Planejamento, a presidente Dilma deu posse a Valdir Simão. A troca também havia sido confirmada na sexta-feira (18) pelo Palácio do Planalto.Valdir Moysés Simão ocupava o cargo de ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU), onde estava desde janeiro de 2015.

Com a ida dele para o Planejamento, Carlos Higino Ribeiro de Alencar assume interinamente como chefe da CGU.Simão é auditor de carreira da Receita Federal, mas nos últimos anos ocupou posições estratégicas em ministérios, secretarias e na Previdência Social. Entre os cargos está o de secretário-executivo da Casa Civil.

Fonte: G1