Joaquim Barbosa ganha 10 mil seguidores no Twitter em um dia

Joaquim Barbosa ganha 10 mil seguidores no Twitter em um dia

Presidente do STF criou conta na última sexta-feira (4) e postou sobre Copa. Na manhã desta segunda ele tinha 16 seguidores; à noite, eram 10,9 mil.

O perfil do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, no Twitter ganhou mais de 10 mil seguidores nesta segunda-feira (7), após a assessoria do Supremo confirmar a criação da conta no microblog.

Pouco antes do meio-dia desta segunda, quando o colunista Gerson Camarotti, anunciou a chegada de Barbosa ao Twitter, ele tinha apenas 16 seguidores. A assessoria do Supremo, então, confirmou a informação e o perfil de Barbosa (@joaquimboficial). Ao longo do dia, o número de seguidores se multiplicou e chegou a 10,9 mil às 20h55.

O perfil foi criado na sexta (4) e no sábado (5) Barbosa sugeriu a escalação de parte do time do Brasil para o jogo desta terça-feira (8), em que a seleção enfrentará a Alemanha pela semifinal da Copa.

"Sugestão para terça do meio para frente: LGustavo, Fernandinho, Paulinho, Ramires ou William; Hulk, Fred. Bernard como arma p segundo tempo", afirmou o presidente do Supremo.

Barbosa pediu nesta segunda ao Ministério da Justiça para adiar a publicação da aposentadoria voluntária do serviço público enviado na semana passada. Com isso, ele ficará mais um mês como ministro e presidente do Supremo.

Segundo a assessoria de imprensa do tribunal, Barbosa decidiu adiar a aposentadoria para permitir uma "transição mais tranquila" com o ministro Ricardo Lewandowski, atual vice do STF e que assumirá a presidência após o recesso do Judiciário, em agosto.

Com o adiamento da aposentadoria, Barbosa deve presidir mais uma sessão do Supremo, a de retorno dos trabalhos após o recesso, que será realizada no dia 1º de agosto. Ele já tinha se despedido na sessão da semana passada, a última antes do recesso.

Pelas regras do serviço público, Barbosa, de 59 anos, poderia continuar ministro até os 70, idade na qual servidores são aposentados compulsoriamente.

Fonte: G1