José Sarney descarta criação de ""blocão"" do PMDB no Senado

José Sarney descarta criação de ""blocão"" do PMDB no Senado

Sarney saiu em defesa do presidente do PMDB, Michel Temer (SP), que se mantém no cargo

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), descartou nesta quarta-feira a criação de um "blocão" na Casa com a reunião de partidos aliados, a exemplo do que ocorreu na Câmara sob o comando do PMDB.

Sarney saiu em defesa do presidente do PMDB, Michel Temer (SP), que se mantém no cargo mesmo depois de eleito vice-presidente da República --o que na opinião de aliados estaria interferindo nas negociações entre o partido, a Câmara e a montagem do governo de Dilma Rousseff (PT).

"Eu acho que ele Temer está imbuido justamente desse ponto de vista de agir como participante do governo e não como presidente do partido. No momento ele está acumulando essas funções e evidentemente, algumas vezes, elas interferem uma na outra, mas não é esse o desejo dele."

Sarney disse que não sabe as "motivações" que levaram a bancada do PMDB na Câmara a unir forças para garantir a eleição de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para a presidência da Casa.

"Pelo que eu sei, ele [Temer] tem procurado colaborar nas articulações que tem feito no grupo que ele participa e que foi incluído por solicitação da ministra Dilma. Eu não conheço o que ocorre na Câmara."

Ontem, o PMDB anunciou a formação de um "blocão" com quatro partidos (PR, PTB, PP e PSC) para formar uma bancada de 202 deputados na Câmara. Com essa configuração, o bloco ficaria muito superior à bancada do PT, que reúne 88 deputados, o que poderia assegurar aos peemedebistas maioria na Casa para assumir o seu comando.

O governo reagiu à iniciativa dos peemedebistas, o que levou o líder do PP, João Pizolatti (SC), a negar mais tarde que tivesse fechado questão em torno do "blocão".

O PMDB briga por espaço no governo Dilma e reivindica o comando da Câmara. No Senado, como maior bancada, o PMDB briga pela presidência da Casa.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br