Julgamento do mensalão agora expõe ex-algozes do PT; veja

O ex-ministro José Dirceu foi qualificado de "chefe da quadrilha" pelo procurador-geral.

A realização do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal a partir do dia 1.º de agosto - a dois meses das eleições municipais - deverá trazer constrangimentos não apenas para os candidatos petistas, mas também para antigos adversários políticos que, agora, terão de enfrentar as urnas na condição de aliados do partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Das quatro principais "estrelas" da CPI dos Correios, que em 2005 investigou o esquema de repasse de dinheiro a aliados do governo Lula no Congresso, duas deixaram a condição de acusadores e hoje estão ao lado do PT. São eles os ex-deputados federais e ex-tucanos Eduardo Paes (PMDB), que tentará a reeleição para a Prefeitura do Rio de Janeiro, e Gustavo Fruet (PDT), que disputará a Prefeitura de Curitiba. Adversários implacáveis do PT e do governo Lula em 2005, os dois atualmente têm o apoio de petistas e de boa parte dos partidos da base aliada federal.

Paes já recebeu até uma visita do ex-presidente Lula, que prometeu fazer campanha para ele, repetindo o que ocorreu em 2008. Fruet fechou acordo com o casal de ministros petistas Paulo Bernardo (Comunicações) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

As duas outras "estrelas" entre os integrantes da CPI dos Correios mantêm o discurso de oposição. Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM) é pré-candidato à Prefeitura de Salvador e terá justamente os petistas, que comandam o governo baiano, como adversários na eleição.

Já Osmar Serraglio (PMDB-PR), que foi relator da CPI, não disputará a eleição de outubro. Ele permanece na Câmara dos Deputados. Na semana passada, foi à tribuna apresentar o que considera provas da participação do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu no mensalão.

Argumentos

Das investigações comandadas por Paes, Fruet, ACM Neto e Serraglio saíram os principais argumentos para a denúncia do mensalão elaborada pelo então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Sousa, contra 40 pessoas - 38 serão julgados pelo Supremo.

Entre os partidos que eram alvo de Paes e Fruet estão PT, PP, PTB e PR. O ex-ministro José Dirceu foi qualificado de "chefe da quadrilha" pelo procurador-geral. Os ex-tucanos chegaram a pregar o impeachment de Lula.

Paes não quer falar agora sobre o assunto. Procurado várias vezes na semana passada, evitou dar entrevistas ao Estado.

Fruet afirma não se arrepender de nada. "Sou o guardião de minha história. Aquilo (a atuação na CPI) foi importante na época. Tanto é que todo meu relatório sobre o setor financeiro foi aproveitado pelo relator da CPI", diz o ex-deputado tucano.

Fruet lembra que foi o único deputado que, além da CPI, participou também do Conselho de Ética da Câmara que julgou os processos contra os acusados no escândalo do mensalão. "De todos os integrantes da CPI, eu era o único do Conselho de Ética."

Temporária

Fruet afirma que a aliança de agora é local, temporária e que, como na época da CPI, também fará parte da história política do País. Diz que nunca negou que tenha tido uma atuação visceral contra o governo e contra o PT. "Quando fechamos a aliança com o PT e com o ministro Paulo Bernardo, eu citei o episódio da CPI e lembrei das circunstâncias políticas de cada momento", afirma.

O ex-tucano diz que procurou convocar Paulo Bernardo à CPI em 2005 como testemunha e não como acusado. "Era para tratar de alguma coisa que tinha acontecido em Londrina. A intenção era que o Paulo Bernardo fosse testemunha", lembra. Atualmente, Fruet é a aposta do PT para derrotar o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), que tem apoio do governador do Paraná, o tucano Beto Richa.

Agora no PDT, partido que o acolheu depois que brigou com Richa, Fruet acha que o mensalão terá pouca importância em sua campanha à prefeitura. "Esse tema é de abrangência nacional. Numa disputa à prefeitura, ele não aparece. Por exemplo: nos debates a que tenho ido, as pessoas só querem saber sobre água, ruas, ônibus e saúde. Ninguém quer saber de mensalão."

O deputado ACM Neto também acha que sua performance nas investigações do mensalão pela CPI dos Correios não o ajudará na busca de votos em Salvador. "Aqui os temas são diferentes." Ela acredita, porém, que pode usar sua atuação na CPI como uma espécie de vacina. "Me considero blindado contra qualquer denúncia que vier por parte do PT. Se vierem para cima de mim, devolvo imediatamente com tudo o que sei daquele escândalo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Fonte: r7