Julgamento do Mensalão: Maioria no STF condena José Dirceu por corrupção ativa

Julgamento do Mensalão: Maioria no STF condena José Dirceu por corrupção ativa

O voto de Marco Aurélio consolidou o placar pela condenação de quase todos os réus deste capítulo do julgamento

O ex-ministro José Dirceu, apontado pelo Ministério Público como mentor do esquema de captação ilegal de recursos e compra de apoio político no primeiro mandato do governo Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa nesta terça-feira. O ministro Marco Aurélio Mello, último a proferir voto na 33ª sessão do julgamento, fechou maioria pela condenação do petista. Ainda pesa sobre Dirceu a acusação de formação de quadrilha.

O voto de Marco Aurélio consolidou o placar pela condenação de quase todos os réus deste capítulo do julgamento. Além da antiga cúpula petista, os ministros consideraram Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino e Simone Vasconcelos culpados pelo crime de corrupção passiva. Marco Aurélio ainda votou pela condenação de Geiza Dias, a mequetrefe funcionária da agência de Valério, mas ficou isolado no plenário. Com isso, apenas Geiza e o ex-ministro Anderson Adauto foram absolvidos.

"José Dirceu teve uma participação acentuada nesse escabroso episódio", definiu Marco Aurélio, acrescentando que não levou em consideração apenas o depoimento prestado pelo delator do mensalão, Roberto Jefferson, a quem se referiu como tendo prestado um "bom serviço ao Brasil e ao PT" ao revelar o esquema.

Em um voto recheado de ironias, o ministro relembrou o episódio envolvendo a ex-mulher de Dirceu, Maria Ângela Saragoza. Durante as investigações do mensalão, descobriu-se que ela vendeu um apartamento ao advogado Rogério Tolentino, que trabalhava para Marcos Valério, e que trabalhava no banco BMG, envolvido nos empréstimos ao PT e que foram fundamentais para a distribuição de dinheiro entre a base aliada do governo Lula.

"As declarações demonstram que José Dirceu valeu-se da estrutura do grupo para resolver problemas particulares. A declarante disse que decidiu vender o apartamento em que morava, que pretendia residir em um apartamento mais amplo e que após conversa que teve com a corretora, apareceu um interessado. Que coincidência incrível! O interessado seria, nada menos nada mais, que Rogério Tolentino", descreveu.

Os comentários ácidos ainda atingiram José Genoino e Delúbio Soares, também condenados pelo ministro. Sobre Genoino, Marco Aurélio relatou episódios nos quais o ex-presidente do partido esteve em reuniões envolvendo a discussão sobre os empréstimos junto ao Banco Rural e o apoio político de partidos como PTB e PP.

"Poupe-me do desejo de atribuir a José Genoino, com a história de vida que tem, tamanha ingenuidade. Se Genoino tivesse tratado apenas e com pureza d"alma de alianças políticas, não teria sido denunciado como foi pelo Ministério Público. Ele não sabia de nada que ocorria para, em passe de mágica, o governo ter o apoio que logrou ter no Congresso Nacional", disse.

Sobre Delúbio, Marco Aurélio duvidou que o ex-tesoureiro do PT tivesse capacidade para operar sozinho todo o esquema do mensalão. O ministro afirmou que distribuir milhões de reais sem o conhecimento da cúpula do partido seria subestimar a inteligência da população. "Tivesse Delúbio Soares a desenvoltura intelectual e material a ele atribuída, certamente não seria apenas tesoureiro do partido. Quem sabe tivesse chegado a um cargo muito maior", ironizou.

A sessão desta quarta-feira será retomada com os votos dos ministros Celso de Mello e Ayres Britto.

Fonte: Terra