Justiça do DF suspende visitas às sextas para presos do mensalão

Governo do DF avalia abrir um 3º dia de visitas aos detentos da Papuda. Familiares de presos comuns criticaram privilégios de réus do mensalão.

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal suspendeu as visitas às sextas-feiras para os condenados no processo do mensalão presos no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (5) durante reunião entre integrantes do governo do DF e magistrados do Tribunal de Justiça.

Diante da resolução da Justiça, o governo Agnelo Queiroz anunciou que irá avaliar a possibilidade de criar um terceiro dia de visitas para todos os detentos da Papuda. Atualmente, as visitações aos detentos do presídio da capital federal são limitadas às quartas e quintas-feiras.

A decisão da Vara, segundo o subsecretário do Sistema Penitenciário, Cláudio Magalhães, reforça a recomendação do Ministério Público aos diretores dos estabelecimentos prisionais do Distrito Federal, feita em 20 de novembro, para que não haja tratamento diferenciado a internos e visitantes dos presídios locais.

"Nesta quinta à tarde [5], me reuni com os dois juízes da Vara [de Execuções Penais], o secretário de Segurança Pública [Sandro Avelar] e o coordenador da Papuda [João Feitosa] para discutir o assunto e fazer um acordo", relatou Magalhães.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal confirmou ao G1 que as visitas estão suspensas temporariamente às sextas.

Nas duas últimas sextas-feiras, o ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR) Jacinto Lamas receberam visitas de amigos e familiares na Papuda. As presenças constantes dos visitantes fora dos dias estipulados pela direção do presídio causaram indignação aos familiares de presos comuns, que só podem ir ao presídio nas quartas e quintas.

No mês passado, a Subsecretaria do Sistema Penitenciário do DF havia informado que os condenados no mensalão teriam direito a visitas às sextas-feiras, enquanto os demais presos têm direito a receber familiares e amigos somente quartas ou quintas-feiras. O governo alegava que a medida visava a garantir a segurança na Papuda. O MP, no entanto, questionou o privilégio e solicitou direito de visitas às sextas para todos os presos do Distrito Federal.

De acordo com Magalhães, na reunião desta quinta com os magistrados da Vara de Execuções Penais, o Executivo local se dispôs a avaliar a criação de um dia extra de visitas para os detentos do complexo penitenciário da Papuda.

Fila de espera

Toda semana, às quartas e quintas-feiras, centenas de familiares de presos que estão na Papuda fazem fila durante a madrugada para visitá-los.

Na tentativa de amenizar o cansaço antes do início do horário de visitas, familiares de presos improvisam camas sobre gramados e calçadas do entorno da penitenciária. Deitados sobre o piso duro, dezenas de pessoas se cobrem com edredons e cobertores.

Uma mulher de 43 anos, que visita semanalmente o irmão na prisão, diz que o tratamento diferenciado dado aos parentes e amigos dos réus condenados no processo do mensalão aumentou o sentimento de "discriminação, indignação e impunidade" entre os visitantes regulares da Papuda.

"A gente fica indignado porque tem de passar por isso tudo. Eles [os parentes e amigos dos reús do mensalão] não são iguais? [...] Os parlamentares e o governador Agnelo nunca vieram aqui visitar os presos comuns antes", disse a mulher.

Fonte: G1