'Não haverá estabilidade sem igualdade',diz homem mais rico do país

Jorge Paulo Lemann - o homem mais rico do Brasil.

O maior problema do Brasil é a desigualdade. Você leu isso várias vezes no DCM, um site apartidário que se bate tenazmente por um Brasil ‘escandinavo’. Não existe nada mais corrupto e depravado que a desigualdade. A real corrupção é a iniquidade, “os extremos de opulência e miséria” para usar a grande expressão de Rousseau.

Para nós, igualitários, foi especialmente agradável ouvir a causa antidesigualdade ser defendida pelo homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann. Num seminário internacional, Lemann disse que não haverá estabilidade no Brasil enquanto perdurar a desigualdade.

Escrevi algumas vezes que é um sintoma da miséria moral da imprensa brasileira nunca haver levantado tal bandeira. Isso expõe quanto os donos da mídia plutocrática nacional lucram com o quadro de iniquidade que marca desde sempre o país.

Jorge Paulo Lemann
Jorge Paulo Lemann

A fala de Lemann foi um marco no debate brasileiro. Nenhum empresário é tão admirado na comunidade de negócios do Brasil quanto ele, um homem discreto e frugal.

Em meus anos de jornalismo de negócios, Lemann foi de longe o personagem que mais me impressionou. Estive com ele e seus sócios repetidas vezes, sempre com proveito.

Quando Lemann diz alguma coisa, todos os executivos brasileiros param de falar e ouvem.

Ele mora na Suíça, de onde sua família é originária, e disse o óbvio: é uma sociedade muito mais feliz que a brasileira.

O Brasil só chegará ao grau de felicidade suíço, acrescentou ele, quando todos tiverem as mesmas oportunidades. Esta a verdadeira meritocracia.

Para tanto, assinalou Lemann, é imperioso que todos possam frequentar as mesmas escolas, as mesmas escolas e por aí vai.

É o modelo escandinavo.

Tal sistema é o oposto do thatcherismo que Temer pretende colocar em prática no Brasil se chegar ao poder e tiver força para fazer qualquer coisa.

O thatcherismo, amplamente adotado no mundo e inspiração clara da gestão FHC, levou a uma brutal concentração de renda contra a qual acabaria se erguendo, nos útimos anos, uma pujante onda igualitária internacional.

Temer e os que o apoiam – a mídia acima de tudo – vão na direção oposta. Querem um Brasil não escandinavo, mas vitoriano na disparidade de renda entre as classes.

Os programas sociais e os direitos trabalhistas têm que avançar para o Brasil ser menos desigual. Temer acena com o oposto.

Não poderia vir em melhor hora a manifestação igualitária de Lemann. Pela liderança que ele exerce entre os empresários e executivos brasileiros, a mensagem será ouvida, discutida e em larga medida aceita.

Ficará muito mais fácil defender, daqui por diante, um Brasil menos iníquo. Já não se poderá dizer que é coisa de comunista, esquerdista, socialista etc etc.

Lemann teve um momento de extrema lucidez ao clamar contra a desigualdade, e o Brasil como um todo só tem a agradecer.

Fonte: Diariodocentrodomundo