Lula decreta luto pela morte de presidente polonês

presidente Lula enviou mensagem de condolências ao primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk

O governo brasileiro decretou luto oficial de três dias pela morte do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, em acidente aéreo ocorrido na última madrugada no Oeste da Rússia. Outras 95 pessoas, quase todas da delegação presidencial, morreram no desastre. O presidente Lula enviou mensagem de condolências ao primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, e ao presidente interino, Bronislaw Komorowski.

?Recebi, com profunda consternação, a notícia do trágico acidente aéreo que vitimou o presidente Lech Kaczynski, sua esposa e grande número de autoridades polonesas. Em nome do povo e do governo brasileiros, e em meu próprio, transmito a Vossa Excelência e ao povo polonês as mais sinceras e fraternas condolências. Neste momento de dor e de perda, esteja seguro de poder contar com a plena solidariedade do Brasil e com os laços históricos de amizade que unem brasileiros e poloneses. Aproveito a ocasião para reiterar a Vossa Excelência meus votos de mais alta estima e consideração?, diz a nota.

O avião, que seguia para Katin, na Rússia, caiu nas proximidades da cidade de Smolensk. O presidente, de 60 anos, e outras 87 pessoas da delegação polonesa iam a Katin prestar uma homenagem aos milhares de oficiais poloneses executados em 1940 pelos serviços secretos soviéticos. A mulher de Lech, Maria Kaczynski, o presidente do Banco Nacional, Slawomir Skrzypek, o vice-chanceler Andrzej Kremer e o comandante do Exército, general Franciszek Gagor, também morreram no acidente.

Um porta-voz do governo da Polônia anunciou que o país fará novas eleições presidenciais, em data a ser definida. Até a eleição, o governo será exercido interinamente pelo presidente da Câmara, Bronislaw Komorowski.

De acordo com as agências internacionais de notícia, ainda não há informações precisas sobre as circunstâncias da queda do avião, um Tupolev TU-154. O avião caiu por volta das 3h50, hora de Brasília, a cerca de 1,5 km do pouso, durante manobra de aproximação ao aeroporto de Smolensk.

Fonte: Congresso em Foco