Lula diz que Petrobras não pode ser envolvida em questão político-eleitoral.

Senado criou CPI para investigar contratos da empresa e royalties

Governo não consegue impedir criação da CPI da Petrobras Ministério Público entra no TCU com representação contra a Petrobras Dilma diz que CPI pode prejudicar captação de investimento para estatal Lula considera criação de CPI uma "manobra irresponsável" Múcio lamenta CPI da Petrobras e acusa PSDB de quebrar acordo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou neste domingo (17) em Riad, na Arábia Saudita, a criação da CPI da Petrobras, afirmando que não se pode envolver a "empresa mais importante do Brasil" em uma questão "político-eleitoral".

Ele afirmou ainda que o governo não teme a investigação. Iniciativa do PSDB, a comissão foi criada no Senado na sexta-feira (15), apesar da tentativa do governo de mobilizar parlamentares para retirarem assinaturas do requerimento.

"Estamos vivendo um momento de ouro na era do petróleo (...) e eu acho que você não pode transformar uma questão político-eleitoral, possivelmente menor, envolvendo a empresa mais importante que o Brasil tem. Mas, de qualquer forma, se as pessoas que assinaram não têm outra coisa pra fazer, só têm aquilo, que façam. Nós vamos continuar tocando o barco", disse.

A CPI, pedida pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR), tem como objetivo investigar fraudes em licitações, denúncias de desvio de royalties de petróleo, supostas irregularidades em contratos para a construção de plataformas e da refinaria Abreu e Lima (PE) e artifícios contábeis para reduzir o recolhimento de tributos e possíveis irregularidades em patrocínios.

"Possivelmente, alguns [senadores] que assinaram estavam querendo tirar das suas costas todo esse debate que a imprensa está fazendo sobre o Senado. Outros possivelmente estejam preocupados com o processo eleitoral de 2010. Eu sinceramente estou preocupado em governar o Brasil", continuou.

Fonte: AE