"Lula é contra saída de Sarney", diz Aloizio Mercadante - líder petista no Senado

Os petistas vão se reunir na próxima semana para avaliar os posicionamentos do presidente Lula

Horas depois de se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para discutir a crise no Senado, o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), afirmou que o Planalto é contra a saída de José Sarney (PMDB-AP) do comando da Casa e que se o peemedebista sair, "dificilmente voltará".

"O presidente disse que o melhor caminho é apurar com rigor e apontar responsáveis (pela crise no Senado). Mas ele não concorda com o licenciamento de Sarney. Ele avalia que se tiver licença, dificilmente o presidente Sarney voltará ao comando da Casa", relatou Mercadante.

Os petistas vão se reunir na próxima semana para avaliar os posicionamentos do presidente Lula para, só a partir daí, divulgar uma nova postura da bancada em relação a Sarney.

Mercadante disse, no entanto, que "a governabilidade é uma questão de Estado" para o presidente Lula. "O governo precisa e quer o PMDB", garante o líder petista.

Além de Mercadante, também os senadores Tião Viana (PT-AC), Eduardo Suplicy (PT-SP), Ideli Salvatti (PT-SC), Marina Silva (PT-AC) e Paulo Paim (PT-RS) participaram da coletiva prestada à imprensa nesta sexta-feira (3).

O líder do PT ainda voltou a dizer que "seria um gesto de grandeza" de Sarney se ele decidisse pedir licença temporária do comando da Casa. "Poderia constituir uma comissão para envolver a sociedade no debate sobre o futuro do Senado e adotar as medidas necessárias para acabar com a crise", justificou.

Questionado se a bancada do PT estaria dividida entre a governabilidade defendida por Lula e a opinião pública, que deseja a saída de Sarney, Mercadante esquivou-se dizendo que o partido "sempre está dialogando com a opinião pública".

NOVA DENÚNCIA

Mercadante também evitou comentar a última denúncia apresentada contra Sarney, de que ele teria ocultado da Justiça Eleitoral uma casa de R$ 4 milhões, na sua declaração de bens das eleições de 1998 e 2006.

Em reportagem publicada nesta sexta, o Jornal "Estado de S.Paulo" revela que o presidente do Senado não informou a posse do imóvel em nenhuma das duas eleições disputadas por ele depois da compra. Ainda de acordo com a reportagem, documentos de cartório mostram que o parlamentar comprou a casa do banqueiro Joseph Safra em 1997 por meio de um contrato de gaveta.

A assessoria de Sarney informou que a residência localizada na Península dos Ministros, área nobre do Lago Sul, em Brasília, está nas declarações anuais de Imposto de Renda, que também foram entregues ao Tribunal de Contas da União (TCU).

A assessoria também informou que ocorreu um "erro do técnico que providencia a documentação do presidente Sarney junto aos órgãos competentes". Ainda segundo os assessores de Sarney, nas próximas horas o presidente deve divulgar uma nota oficial sobre o assunto.

Fonte: g1, www.g1.com.br