Lula não responderá a  Gilmar Mendes, diz Gilberto Carvalho

Lula não responderá a Gilmar Mendes, diz Gilberto Carvalho

Mendes atribuiu a Lula papel de "central de divulgação" de boatos contra ele

O ministro Gilberto Carvalho, titular da Secretaria-Geral da Presidência e ex-chefe de gabinete do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta quarta-feira (30) que o petista não irá mais responder às acusações do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. Os dois entraram em embate nesta semana após a revelação de um encontro no fim de abril em que teriam falado sobre possível adiamento do processo do mensalão.

"Acho que é o melhor que ele [Lula] tem a fazer", ponderou Carvalho. Amigo pessoal do presidente e mais próximo assessor durante os oito anos de governo de Lula, o ministro disse que Lula pretende se resguardar após a polêmica.

O titular da Secretaria-Geral se reuniu com Lula nesta quarta, em Brasília. À noite, esteve no STF para participar de evento da entrega do prêmio Dom Quixote, que prestigia personalidades que se destacam na defesa da ética.

A polêmica entre Lula e Gilmar Mendes surgiu após a revelação, pela revista "Veja", de uma conversa entre os dois no final de abril. Segundo a revista, Lula teria oferecido proteção ao ministro na CPI do Cachoeira, em troca do adiamento do processo do mensalão, que poderia levar à prescrição de vários crimes, derrubando eventuais punições de réus.

Em nota divulgada na segunda (28), Lula negou a pressão, disse que a versão da revista é "inverídica" e se disse indignado. No mesmo dia, Mendes reafirmou o tom da conversa e, nesta terça (29), acusou o petista de estar fazendo o papel de "central de divulgação" de boatos contra ele.

Nesta quarta, o ex-presidente esteve na capital federal para palestrar no V Fórum Ministerial de Desenvolvimento. No evento, em discurso que não citou Mendes, disse que tem de "tomar cuidado" com pessoas que "estão aí no pedaço" e que não gostam dele. Mais cedo, Lula almoçou com a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada.

Ao final da entrega do prêmio Dom Quixote, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, também rechaçou um eventual estremecimento. "Não há tensão nenhuma entre o governo e o Judiciário. Não há crise", minimizou.

Fonte: G1