Eleições: TSE nega envio de força federal para Luzilândia

A solicitação da presença de força federal foi realizada pelo desembargador Raimundo Eufrásio.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, negou o pedido de envio de força federal para ajudar na segurança durante as eleições suplementares do município de Luzilândia no próximo domingo, dia 24. A decisão do ministro teve como fundamento ofício enviado pelo governador Wilson Martins (PSB), que garantiu ser desnecessária a presença do exército na cidade.

A solicitação da presença de força federal foi realizada pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, desembargador Raimundo Eufrásio. Segundo ele, o histórico eleitoral da cidade e o clima acirrado de disputa entre as duas coligações que concorrem na eleição justificariam o envio de tropas.

O governador Wilson Martins garantiu à Corte do TSE que ?a Polícia Militar do Piauí possui condições técnicas e humanas suficientes para garantir o bom andamento do pleito?. No caso de pedidos desse tipo, o TSE adota como procedimento solicitar informações ao governador do Estado sobre a necessidade real da medida.

O ministro Lewandowski afirmou que a utilização da Força Federal em eleições suplementares é medida excepcional, quando indispensável para garantir os trabalhos durante a votação e a apuração. ?Entendo que o envio de Força Federal ao município não será necessário, haja vista a expressa manifestação do Governador daquele Estado?, finalizou.

POLÍCIA MILITAR - O Comando Geral da Polícia Militar do Piauí deslocará 60 policiais de Teresina para Luzilândia para garantir a segurança durante a realização das eleições suplementares que ocorrem no próximo domingo, dia 24. Os policiais deverão trabalhar para assegurar o direito de votar aos 17.895 eleitores aptos a comparecerem às urnas neste pleito.

Segundo informações repassadas pelo comandante geral da Polícia Militar, coronel Rubens Pereira, o município já possui um efetivo policial de 30 militares, que contarão com o reforço de mais 60 homens.?Os eleitores de Luzilândia podem ficar tranquilos porque terão a liberdade necessária para votar com tranquilidade e segurança?, garantiu.

O comandante explicou que o esquema de segurança a ser adotado em Luzilândia será semelhante ao desenvolvido pela Polícia Militar durante outras eleições suplementares ocorridas no Estado recentemente. ?Faremos o mesmo trabalho que fizemos em outras oportunidades em que foi necessário reforço policial, como no caso de Campo Maior, por exemplo?, disse.

Fonte: Lídia Brito