Manim Rego afirma que está sendo perseguido

O ex-prefeito acrescentou que buscará esclarecimento a respeito da dissolução do diretório do PMDB em Barras

O ex-prefeito de Barras, Manin Rego (PMDB) criticou a postura do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) ao destituir o diretório municipal do partido no município de Barras e dar autonomia ao ex-deputado José Ribamar (o Cabelouro). De acordo com o ex-gestor, os advogados entrarão com uma ação para buscar esclarecimentos sobre o acontecido.

Manin explica que o diretório municipal do PMDB em Barras tomou posse no dia 25 de outubro do ano passado e que está havendo uma perseguição política muito grande contra ele. A opinião do ex-prefeito é de que o partido atendeu a ?caprichos? de Cabelouro e do presidente da Assembléia Themístocles Filho.

Ainda comentando sobre a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em cassar o seu mandato, Manin Rego destacou que a decisão da Corte foi contra a vontade popular. ?Mas Barras dará o troco. Não foi respeitada a vontade popular, mas ainda estamos confiantes de que essa decisão será derrubada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), antes das eleições?, argumenta, acrescentando que as novas eleições estão marcadas para o dia 11 de abril.

Hoje, os partidos que compõem o grupo político do ex-prefeito irão se reunir para definir o nome que entrará na disputa pela Prefeitura da cidade nas eleições de 11 de abril. No grupo político de Manin Rego, entram os partidos PDT, PP, PMN, PV e PSB. ?Alguns nomes já estão cotados e iremos nos reunir para definir qual será o nosso candidato?, pontua, acrescentando que a decisão do TRE o deixou inelegível por um período de três anos. Em relação as eleições deste ano, Manin frisou que o nome de sua esposa, Nize Rego, entrará na disputa pelo PSB. (M.M)

Fonte: Mayara Martins