Marco Feliciano lança deputado braço direito para Assembleia em São Paulo

A aproximação entre os dois começou antes de Feliciano chegar à Câmara dos Deputados, graças à música gospel.

A Assembleia Legislativa de São Paulo pode ganhar seu Marco Feliciano em 2014: o pastor e deputado federal vai lançar a deputado estadual pelo PSC seu braço direito, o assessor parlamentar e cantor gospel Roberto Marinho.

Marinho, 36, fará dobradinha com Feliciano para surfar na popularidade alcançada pelo pastor no período à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, onde defendeu posições contra direitos dos homossexuais.

A aproximação entre os dois começou antes de Feliciano chegar à Câmara dos Deputados, graças à música gospel. Eles costumavam se encontrar em eventos evangélicos, até que em 2009 passaram a dividir o palco, com Marinho tocando teclado e cantando junto com Feliciano.



O futuro candidato, que se refere a Marco Feliciano como "mentor", foi convidado para ser seu assessor após a vitória nas eleições de 2010.

"O partido indicou pessoas com experiência para o gabinete, mas ele fez questão que eu viesse", lembra Marinho. "Ele me disse: "Roberto, vamos juntos porque você é meu homem de confiança"."

O assessor ganhou notoriedade por estar sempre ao lado de Feliciano, até mesmo no vídeo em que, dentro de um avião, passageiros cantaram a música "Robocop Gay", dos Mamonas Assassinas, e fizeram provocações ao deputado. O vídeo fez sucesso ao circular na internet, em agosto. Segundo Marinho, a partir desse episódio ele começou a ficar "mais famoso".

"As pessoas diziam: "Pastor, o senhor é muito sereno, mas o seu assessor podia ter se levantado e feito alguma coisa". E começaram a perceber que eu também era do mesmo jeito", conta. "Não podem andar dois se não estiverem de acordo. Temos o mesmo pensamento, a mesma filosofia, por isso caminhamos juntos e damos tão certo."

Com a popularidade em alta por causa das controvérsias provocadas por suas opiniões, o PSC estimulou Feliciano a lançar um nome para a Assembleia Legislativa paulista.

Inicialmente, o pastor cogitou colocar na política alguém de sua família, mas desistiu. Em consenso com o partido, então, decidiu pela indicação de Marinho, que se filiou ao PSC em setembro.

Marinho diz querer atrair jovens para o partido, planeja usar o mandato para o diálogo com prefeitos do interior e promete defender as mesmas posições de Feliciano.

"Meu projeto principal é lutar em favor da família, ir contra o aborto, a discriminação das drogas, a violência e a pedofilia", afirma Marinho.

Se dependesse da escolha dele, ele diz que "abraçaria" a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. "Ajudando o pastor aqui eu me apaixonei por esse trabalho."

Fonte: Folha de São Paulo