Ministro diz que impeachment de foma só política se torna um golpe

O ministro falou na sua conta no Twitter.

 O chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, utilizou nesta sábado (12) sua conta pessoal no microblog Twitter para criticar a tentativa da oposição – apoiada por parte do PMDB – de afastar a presidente Dilma Rousseff da Presidência. Na avaliação do petista, quando o impeachment se transforma em um processo "exclusivamente político", o que se tem é um "golpe".

 O ministro ressaltou ainda na rede social que, embora esteja previsto na Constituição, o impeachment, na visão dele, nem sempre é um "instrumento legítimo para destituir um governante.

"Apesar de estar previsto no nosso ordenamento jurídico, o impeachment nem sempre é um instrumento legítimo para destituir um governante. Quando transforma-se em um processo exclusivamente político, o que se tem é um golpe. O dispositivo está sendo usado para satisfazer as ambições políticas daqueles que não conseguem obter maioria nas urnas", escreveu o chefe da Casa Civil no Twitter.

Ministro Jaques Wagner comentou na sua conta do Twitter (Crédito: Internet)
Ministro Jaques Wagner comentou na sua conta do Twitter (Crédito: Internet)


Jaques Wagner, que governou a Bahia ao longo de oito anos, também destacou em suas mensagens na rede social a carta divulgada na terça-feira (8) por governantes de 15 estados e do Distrito Federal em defesa do mandato da presidente da República.

No documento, chamado de "carta da legalidade", os governadores ponderam que o impeachment é um recurso de "extrema gravidade" que só deve ser empregado quando houver comprovação "clara e inquestionável" de atos praticados dolosamente pelo chefe de governo que atentem contra a Constituição”.

A decisão de abrir o processo de impeachment foi anunciada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com base no pedido de afastamento que destaca a edição, em 2015, de decretos que autorizaram despesas sem aval do Congresso Nacional, além de procedimentos conhecidos como "pedaladas fiscais" – atrasos de repasses do Tesouro para bancos públicos.

Ministro Jaques Wagner (Crédito: Reprodução)
Ministro Jaques Wagner (Crédito: Reprodução)


Fonte: Com informações do G1