"Não quero entrar em debate de baixo nível", diz Fernando Henrique Cardoso sobre Lula

Lula disse que o PSDB treinava cabos eleitorais no Nordeste contra ele

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que não quer transformar em acusações pessoais as críticas que fez ao governo federal em artigo publicado no domingo (1º) nos principais jornais do país. "Não quero entrar nesse debate de baixo nível das questões", afirmou.

Durante participação no 12º Congresso do PCdoB em São Paulo, Lula disse que o PSDB treinava cabos eleitorais no Nordeste contra ele. ?É um pouco do que Hitler fazia para os alemães pegarem os judeus, ou seja, vamos treinar gente para não permitir que eles sobrevivam?, afirmou.

?Eu escrevi [o artigo] pensando no funcionamento de um sistema, não foi pensando em pessoas e não me cabe acrescentar mais nada. Preciso evitar que isso se transforme em acusações de pessoas. Não é do meu feitio e não faz parte do meu estilo?, afirmou FHC, que participou da Conferência de São Paulo, promovida pelo Instituto FHC, em São Paulo.

?Tudo o que eu tinha que dizer, já disse. Eu não estou em campanha eleitoral, estou discutindo o que eu acho relevante e o meu compromisso com certos temas da democracia.? O ex-presidente disse ainda que pretende continuar publicando seus artigos mensalmente e que não tratarão exclusivamente de temas relacionados ao governo Lula.

Reação tucana

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), também rebateu neste sábado as comparações feitas por Lula entre ações do PSDB e Hitler. ?Nós não gostamos de Hitler nem de [Hugo] Chávez [presidente da Venezuela], por isso não discutimos ditadores?, disse o presidente do PSDB, por intermédio da assessoria do partido.

?Se o presidente Lula tiver curiosidade podemos mandar nossas apostilas para ele. Custo acreditar que suas declarações sejam sinceras", disse o presidente do PSDB. Guerra também rebateu as declarações da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) feitas no mesmo evento. Dilma havia dito que forças do passado? usam ?velhas táticas? para tentar fragmentar a base aliada do governo e que ?são patéticas ao tentar confundir as pessoas?.

Para Guerra, ?faltaram argumentos e ideias na cabeça da ministra? na hora do discurso. ?É conversa de quem não sabe o que falar, é falta de experiência política."

Fonte: g1, www.g1.com.br