Nazareno diz que está sendo amigo de Dias ao alertá-lo sobre “equívoco”

Definindo como equivocadas essa decisão, o petista frisou que é amigo do governador para dizer “que está tentando prevenir o que pode acontecer

Negando que seja ?espalha brasa? ao manifestar publicamente opiniões contrárias sobre uma possível escolha do governador Wellington Dias (PT) ao senador João Vicente Claudino (PTB), o deputado federal Nazareno Fonteles (PT) afirmou que está sendo amigo de Dias ao alertá-lo sobre algo de ruim que possa vim acontecer ao partido caso a decisão tomada pelo governador seja pelo nome do senador petebista para encabeçar a base governista.

Definindo como equivocadas essa decisão, o petista frisou que é amigo do governador o suficiente para dizer ?que está tentando prevenir o que pode acontecer caso o governador vá contra a vontade da maioria dos filiados petistas?. ?Amigo verdadeiro é aquele que diz a verdade ao outro para que haja tempo de corrigir seus erros?, frisou, acrescentando que posição da maioria do PT é de que o partido deve ter candidatura própria. Fonteles afirmou que, caso o nome do senador João Vicente Claudino seja o escolhido, o PT irá rcahar. ?Se houver entendimentos nesse sentido, o partido irá rachar?, garante.

Fonteles destacou que sempre esteve ao lado do PT, defendendo o que, ele classificou como ?melhor para o partido?. Foi assim, segundo ele, que sempre ajudou na carreira política do governador. ?Quando fui deputado, ajudei ele na eleição de vereador, em 1994 quando fui candidato a governador, em 1998, quando ele se elegeu para a câmara e em 2002 na escolha para o governo?, citou, acrescentando que o governador deve ouvir a opinião do partido sobre a sucessão eleitoral. ?Ele estará equivocado se evoluir para uma escolha fora do partido?, opina.

O parlamentar também não poupou críticas ao senador João Vicente Claudino. De acordo com ele, o senador migrou para a base, após o prefeito Sílvio Mendes lhe ?passar a perna, ao crescer o olho para uma candidatura para governador?. ?O que ele (João Vicente) está fazendo é uma conveniência eleitoral, já que o PTB, ao contrário do PT, não tem divergências ideológicas com o PSDB. Isso é um oportunismo eleitoral. Porque ele não apoiou o PT em 2008? Ele sabe que está bem, que em qualquer caso, ele estará no governo, seja na prefeitura ou no governo do Estado?, conclui. (M.M)

Fonte: Mayara Martins