"Nenhuma questão hoje é mais importante do que a da água", diz Regina Sousa

A parlamentar falou que apesar do destaque que tem sido dado à crise hídrica do Sudeste brasileiro.


A senadora Regina Sousa (PT-PI) celebrou nesta quinta-feira (26/03), com discurso no Plenário do Senado, o Dia Mundial da Água. A parlamentar falou que apesar do destaque que tem sido dado à crise hídrica do Sudeste brasileiro “o maior problema de escassez continua sendo no Semiárido brasileiro, localizado majoritariamente na região Nordeste”.

“Em minha região, após séculos de sofrimento causado pela falta de acesso à água, descobrimos o óbvio: a falta d’água, mais do que tudo, é consequência de uma política concentradora, através da qual uns poucos e privilegiados detinham a posse e uso de quase toda a água do Semiárido, enquanto outros morriam de sede”.

Segundo a senadora, entidades como a Cáritas Brasileira e a Articulação do Semiárido, apoiadas pelo governo federal, mostraram que, “mesmo numa região onde a chuva é pouca e a água de subsolo é profunda, são também múltiplas as alternativas para a garantia do acesso à água para a população”.

“No Piauí e em todo o Nordeste brasileiro, mulheres e homens aprenderam a arte de conviver com o meio ambiente, olhando os ciclos das chuvas, o comportamento das plantas, dos animais e as características do clima e do solo. Desse conhecimento saíram as melhores técnicas de convivência com o Semiárido, como a estocagem de água de chuva a partir da construção de cisternas de placas, hoje já disseminadas nacionalmente”, destacou a senadora piauiense.
 
Regina comemorou o fato de que durante o governo do PT, mais de um milhão de cisternas foram construídas no Semiárido Nordestino. “Essa é uma atitude que deveria ser adotada por toda a população em relação à água de chuva. É uma água boa de beber, desperdiçada durante o período chuvoso. É como morrer afogado e com sede. É preciso haver incentivos ao uso da cisterna nas residências onde há espaço, nos sítios e fazendas, independente da escassez ou não de água”.
 
Regina alertou que dados da ONU mostram que se não houver uma mudança dramática no uso, gerenciamento e compartilhamento da água, em 2030, o mundo enfrentará algo em torno de 40% de déficit no abastecimento de água. “O relatório da ONU mostra que o consumo, nas últimas década, cresceu duas vezes mais que a população e que 10% dos aquíferos são explorados acima de sua capacidade”, frisou.
 
A senadora alertou que grande parte das fontes de água, que são os rios, lagos e represas está sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória das pessoas. Para Regina Sousa, nenhuma questão hoje é mais importante do que a da água.
 
“Dela depende a sobrevivência de toda a cadeia da vida e, consequentemente, o nosso próprio futuro. Precisamos começar a utilizar a água de forma muito mais prudente e racional, evitando o desperdício e a poluição”.
 
“É necessário combater o desperdício nas casas, nas indústrias, em todas as partes. Também precisamos tipificar e fiscalizar crimes ambientais, para além do Código Florestal. A água é uma dádiva. Precisamos lutar e cuidar dela!”, concluiu a senadora.
Fonte: Ascom